PT EN   
 

Segurança no Trabalho

Riscos Elétricos

A utilização da eletricidade exige vários cuidados, uma vez que quando são negligenciados os devidos procedimentos de segurança esta fonte de energia pode provocar não só danos patrimoniais, como também ser fatal ou causar lesões irrecuperáveis.

A origem da maioria dos acidentes elétricos está relacionada com a falta de informação, ou imprudência, de quem trabalha e utiliza recursos elétricos.


Causas de acidentes elétricos:
 
  • Desconhecimento ou falta de formação para lidar com os riscos elétricos;
  • Aparelhos e instalações em condições deficientes;
  • Subestimação dos riscos.
 
 
Regras Técnicas das Instalações Elétricas de Baixa Tensão
As Regras Técnicas das Instalações Elétricas de Baixa Tensão (RTIEBT), estabelecidas pela Portaria nº 949-A/2006, definem as normas pelas quais o estabelecimento e a exploração das instalações elétricas, assim como a utilização de energia, devem ser regidas.

Estas regras visam garantir a segurança de todos os utilizadores mas também assegurar que há condições para que as atividades económicas se desenvolvam, reduzindo ao máximo os danos materiais.
 
 
Principais Perigos Elétricos
Os principais perigos elétricos resultam do contacto entre pessoas com a corrente elétrica. Estes podem acontecer de forma direta, ou indireta, sendo que as consequências do contacto com a energia elétrica podem resultar em queimaduras graves e mesmo morte.

Contacto Direto: Acontece quando um indivíduo entra em contacto com uma parte ativa de um circuito que está sob tensão. É o tipo de contacto que acontece quando alguém toca num elemento condutor de um circuito. Ex: Quando ao furarmos uma parede o berbequim atinge uma ligação elétrica.

Contacto Indireto: Acontece quando um indivíduo entra em contacto com massas (partes metálicas) acidentalmente sob tensão. Ocorre, por exemplo, quando se toca na cobertura metálica de uma máquina elétrica que por deficiência no isolamento está sob tensão elétrica. Este tipo de contacto resulta de falhas no isolamento dos equipamentos elétricos, geralmente causados pelo envelhecimento dos materiais dos mesmos.

  
Instalações e Materiais das Instalações
Para evitar estes contactos com a eletricidade, as RTIEBT definem os procedimentos que têm de ser adotados quando se realiza a instalação e utilização dos sistemas elétricos.

Segundo as RTIEBT a conceção das instalações deve ter como objetivos garantir a segurança de pessoas, animais e bens, e a compatibilidade entre sistemas. Os materiais utilizados na instalação devem, por isso, estar preparados para conservarem eficazmente as características elétricas, mecânicas, físicas e químicas para que os aparelhos funcionem em condições de segurança.

Além disso, os invólucros das canalizações e aparelhos devem ser de material isolante, sendo que as RTIEBT definem que os materiais utilizados nas instalações devem ser coerentes entre si.

Outras características a considerar aquando da escolha dos materiais para as instalações elétricas são:
 
  • A adequação à temperatura ambiente do espaço onde os materiais vão estar;
  • Proteção contra contactos com peças sob tensão e contra a penetração de corpos estranhos e líquidos nas mesmas;
  • Proteção contra ações mecânicas e contra a corrosão;
  • Proteção contra o risco de incêndio e risco de explosão.

O local onde as instalações são estabelecidas é uma preocupação que também está regulamentada. As instalações devem ser, sempre que possível, colocadas nos locais que apresentem condições mais favoráveis a estas. O objetivo é situar as instalações em locais onde estão resguardadas das ações mecânicas e dos agentes físicos e químicos, como o calor, o frio, a humidade ou outros agentes corrosivos.

 
Verificação das Instalações Elétricas
Para comprovar que as instalações estão em conformidade com as RTIEBT, as instalações têm de ser sempre verificadas quando entram em serviço pela primeira vez ou quando sofrem alterações significantes. As verificações são feitas através de uma inspeção visual e de ensaios.

Na inspeção visual verifica-se se os equipamentos elétricos ligados em permanência:
 
  • Satisfazem as regras de segurança e as normas que lhes são aplicáveis;
  • Foram corretamente selecionados e instalados de acordo com as regras indicadas nas Regras Técnicas e com as indicações fornecidas pelos fabricantes;
  • Não apresentam danos visíveis que possam afetar a segurança;
 
No caso dos ensaios estes devem incidir sobre os seguintes aspetos:
 
  • Continuidade dos condutores de proteção e das ligações equipotenciais principais e suplementares;
  • Resistência de isolamento da instalação elétrica;
  • Proteção por meio da separação dos circuitos relativa à:
    • Tensão reduzida de segurança TRS ou TRP;
    • Separação Elétrica;
  • Resistência de isolamento dos elementos da construção;
  • Corte automático da alimentação;
  • Ensaio da polaridade;
  • Ensaio dielétrico;
  • Ensaios funcionais;
  • Protecção contra os efeitos térmicos;
  • Quedas de tensão.

 
Trabalhos nas Instalações
Quando se realizam trabalhos nas instalações, há vários cuidados que se devem ter porque qualquer descuido pode ter consequências graves.

Os trabalhos nas instalações elétricas devem ser sempre realizados quando estas não têm tensão elétrica. Nestes casos, o responsável, que deve ser um profissional qualificado, deve realizar o corte da corrente e certificar-se que as instalações estão sem tensão elétrica.

No caso de os trabalhos terem de ser realizados quando as instalações estão sob tensão, estes devem ser realizados seguindo a técnica adequada ao trabalho e usando o equipamento conveniente. Uma das principais preocupações durante estas situações passa por tomar todas as precauções durante o manuseamento de objetos que possam provocar contactos diretos com os elementos sob tensão.

Manutenção das Instalações
As instalações devem ser sempre mantidas em bom estado de conservação e em conformidade com as RTIEBT. Para garantir a conformidade das instalações com estas regras, estas devem ser inspecionadas periodicamente.
 
 
Inspeções
As inspecções têm como objectivo garantir que as instalações elétricas são mantidas em conformidade com as RTIEBT, devendo ser efetuadas por pessoal qualificado.

Nas inspeções devem ser verificados os seguintes aspectos:
 
  • Estado do isolamento dos condutores isolados ou cabos, e da bainha exterior destes, em especial dos cabos flexíveis;
  • Estado dos aparelhos de corte ou de comando;
  • Estado dos aparelhos de utilização, em especial dos móveis e portáteis;
  • Condições de arranque imediato das fontes de alimentação das instalações de emergência.

As RTIEBT chamam a atenção para que sejam especificamente vigiados os seguintes aspetos:
 
  • Manutenção dos dispositivos que coloquem as partes ativas fora do alcance das pessoas;
  • As ligações e o estado dos condutores de proteção;
  • O estado dos cabos flexíveis que alimentem aparelhos móveis, bem como os seus dispositivos de ligação;

A regulação correcta dos dispositivos de proteção;Além de verificados estes aspetos, as inspeções devem ser realizadas com a seguinte periocidade:
 
  • 1 ano – casas de espetáculo e diversão em recinto fechado, locais com risco de incêndio ou com risco de explosão de estabelecimentos industriais e instalações provisórias;
  • 5 anos – estabelecimentos que recebem público e estabelecimentos industriais, não abrangidos pela alínea anterior, estabelecimentos agrícolas ou pecuários e locais afetos a serviços técnicos;
  • 10 anos – outros locais.

 
Sistemas de Proteção
Um dos deveres legais, no que diz respeito às instalações de utilização, é a obrigação de utilizar mecanismos destinados a assegurar a proteção das pessoas contra os choques elétricos. As disposições de proteção devem ser seleccionadas e instaladas de forma a garantir a longevidade das mesmas, assim como a segurança dos utilizadores.


Proteção contra Contactos Diretos
A proteção contra contactos diretos consiste em defender as pessoas contra os riscos de contacto com as partes ativas dos materiais ou aparelhos elétricos. Esta forma de proteção é essencialmente preventiva e consiste em garantir que as partes ativas dispõem de proteção contra os contactos diretos.
 
 
Proteção contra Contactos Indiretos
Nas instalações deverão ser tomadas medidas de proteção contra contactos indirectos de forma a garantir que nos elementos condutores estranhos à instalação elétrica não se mantém uma tensão de contacto superior aos seguintes valores:
 
  • 50V – Se a instalação, ou parte da instalação, for prevista para alimentar apenas aparelhos de utilização fixos ou móveis que não possuam massas susceptíveis de serem empunhadas;
  • 25V – Se a instalação, ou parte da instalação, for prevista para alimentar aparelhos de utilização fixos ou móveis que possuam massas susceptíveis de serem empunhadas ou aparelhos de utilização portáveis com massas acessíveis.

As proteções contra contactos indiretos devem ser realizadas por um dos seguintes métodos:
 
  • Medidas que impeçam a corrente de defeito de percorrer o corpo humano ou o corpo de um animal;
  • Limitação da corrente de defeito que possa percorrer o corpo a um valor inferior ao da corrente de choque;
  • Corte automático, num tempo determinado, após o aparecimento de um defeito suscetível de, em caso de contacto com as massas, ocasionar a passagem através do corpo de uma corrente de valor não inferior ao da corrente de choque.