PT EN   
 

Cidadão

Emergências

Fique a saber o que pode fazer para prevenir e como agir em situações de emergência. Informe-se sobre como agir em caso de incêndios, sismos, ondas de calor, inundações e várias outras situações que podem pôr em causa a sua vida e os seus bens. Invista tempo, conhecimento e recursos na prevenção.

O Que Fazer Durante Um Incêndio Urbano

PREVENÇÃO
Por mais preparado que esteja para lidar com situações de incêndio, a melhor solução é saber agir de forma a conseguir preveni-las. Fique a conhecer as melhores medidas para evitar este tipo de catástrofes:


Indicações Gerais:
  • Tenha um extintor em casa, de preferência na cozinha, e aprenda a usá-lo.
  • Se fumar, faça-o no exterior da sua casa.
  • Não fume quando estiver próximo ou em contacto com produtos inflamáveis.
  • Não fume se sentir sono, tiver bebido ou se estiver sobre o efeito de medicamentos. 
  • Use cinzeiros estáveis e de grandes dimensões.
  • Mantenha os fósforos e os isqueiros longe do alcance das crianças.
  • Antes de deitar os cigarros no lixo, certifique-se que estes estão bem apagados.
  • Coloque fora do alcance das crianças líquidos inflamáveis, fósforos, velas ou isqueiros.
  • Sempre que viajar, certifique-se que fecha as torneiras do gás e do contador da eletricidade.
  • Proteja a sua lareira e mantenha-a limpa para que não se torne um foco de incêndio. Efetue inspecções periódicas à chaminé.
  • A chaminé deve ser limpa todos os anos pois a gordura acumulada na mesma pode originar um incêndio.
  • Não abandone velas acesas e certifique-se sempre que elas estão apagadas quando terminar de as utilizar.
  • Faça um plano de evacuação da habitação e treine o mesmo duas vezes por ano.


Cuidados a ter na cozinha:
  • Limpe e substitua regularmente o filtro do exaustor porque a gordura presente neste pode incendiar-se.
  • Evite cozinhar com mangas largas ou soltas.
  • Não seque panos, ou outros objetos que se possam incendiar, junto do fogão.
  • Não saia de casa com o fogão ou esquentador ligados.
  • Nunca deixe aparelhos a gás ligados junto de janelas abertas.
  • Não cozinhe quando se sentir cansado, sonolento ou tiver consumido bebidas alcoólicas.
  • Quando tiver a utilizar o fogão mantenha-se na cozinha.
  • Não utilize o fogão para aquecer a sua casa.


Cuidados a ter com aparelhos elétricos:
  • Desligue o ferro de engomar sempre que tenha de se afastar deste. 
  • Afaste dos aquecedores qualquer tipo de objetos que possam ser inflamáveis.
  • Não seque roupa em cima dos aquecedores.
  • Quando sair de casa, ou se for dormir, desligue sempre os aquecedores.
  • Não faça reparações improvisadas às instalações da rede elétrica.
  • Substitua os fios elétricos em mau estado.
  • Utilize fusíveis adequados.
  • Não ligue vários aparelhos à mesma tomada.
  • Não utilize água para apagar incêndios com origem elétrica. Ao fazê-lo pode ocorrer um curto-circuito.
  • Não coloque fios elétricos ou extensões debaixo de carpetes.
  • Sempre que tiver problemas com tomadas ou fusíveis queimados deve chamar um especialista. 


Cuidados a ter quando cheira a gás:
  • Não faça qualquer tipo de chama, nem mesmo para verificar se existe uma fuga.
  • Não ligue, ou desligue, interruptores e aparelhos elétricos.
  • Abra as janelas.
  • Faça regularmente verificação das tubagens do gás, utilizando água e sabão. Caso detete fugas, chame um técnico especializado.


Plano de Evacuação:
  • Desenhe a planta da sua casa, incluindo portas e janelas, e discuta em família o melhor caminho para abandonar a residência em caso de emergência.
  • Saiba mais do que um caminho para abandonar a sua residência e defina um ponto de encontro para a família no exterior da habitação.
  • Certifique-se que as portas e as janelas que podem ser utilizadas para proceder à evacuação do edifício estão em condições de serem facilmente abertas por qualquer membro da família.
  • Pratique o plano de emergência duas vezes por ano, utilizando caminhos alternativos para sair da habitação. Pratique de dia e de noite.
  • Ensine as crianças a saírem pelos próprios meios, uma vez que em caso de emergência pode não estar em situação de as ajudar.
  • Sempre que sair de uma divisão, feche as portas ou janelas para impedir que o fogo se propague.


COMO AGIR
Os incêndios em casa são situações de perigo que colocam em causa a vida dos vários habitantes. Saber agir nestas condições é fundamental para lidar com o pânico e garantir a sua segurança…


Como proceder em caso de incêndio:
  • Tente apagar o fogo sem colocar a sua vida em risco.
  • Se no espaço de um minuto não conseguir apagar o incêndio, deve ligar para os bombeiros.
  • Feche as portas e as janelas da divisória onde está o fogo.
  • Desligue a corrente elétrica e feche o gás antes de abandonar a sua residência.
  • Se viver num prédio, active o alarme para alertar os outros residentes.
  • Uma vez no exterior, deve aguardar pelos bombeiros e estar pronto para lhe dar as seguintes indicações: localização do incêndio, possíveis materiais que estejam a arder e o que fez para evitar a progressão do incêndio.


Cuidados a ter:
  • Desloque-se agachado, junto ao chão, onde o ar é mais puro. A inalação dos gases libertados pelo fogo é a principal causa de morte nas situações incêndio.
  • Antes de abrir uma porta verifique a temperatura desta. Se a porta estiver quente podem estar chamas do outro lado. Procure um caminho alternativo para abandonar o edifício.
  • Se a sua roupa estiver a arder não corra. Deite-se no chão e role sobre si mesmo. Se tiver tempo enrole-se com um cobertor molhado antes de se deitar.
  • Utilize sempre as escadas e evite os elevadores.
  • Depois de abandonar o local do fogo, nunca volte atrás.


Se ficar preso num edifício deve:
  • Manter-se junto de uma janela onde possa ser visto facilmente.
  • Pedir auxílio, gritando e acenando com uma peça de roupa colorida.
  • Fechar a porta da divisória onde se encontra e isolar a parte inferior da porta para evitar a entrada de fumo.

O Que Fazer Durante Um Incêndio Florestal

PREVENÇÃO
Durante os últimos anos, vários têm sido os incêndios florestais que ameaçaram vidas e bens em território nacional. Além disso, estes constituem graves prejuízos a nível ambiental e económico. É fundamental saber como agir para evitar estas situações.


Se residir junto de uma área florestal:
  • Limpe o mato à volta da sua residência.
  • Se tiver terrenos cultivados deve dividir as diversas culturas com barreiras corta-fogo (ex: caminhos).
  • Guarde num lugar isolado e seguro o gasóleo, a lenha e outros produtos combustíveis.
  • Mantenha velas e candeeiros a petróleo, ou gás, afastados da madeira, do papel, de roupas ou outros materiais que sejam facilmente inflamáveis.
  • Eduque as crianças para não brincarem com fósforos ou isqueiros.
  • Tenha em casa meios que lhe permitam extinguir, a qualquer momento, um foco de incêndio.
  • Treine, com a família, um plano de evacuação da sua habitação, definindo um ponto de encontro e possíveis formas de contacto em caso de separação dos membros da família.
  • Crie uma zona pavimentada ao redor da sua residência com uma largura mínima de um metro.


Se for passear na floresta:
  • Não atire fósforos ou cigarros para o chão.
  • Nunca deite pela janela do automóvel cinzas ou pontas de cigarros.
  • Não fume nem faça fogueiras na floresta durante a altura crítica ou quando o risco de incêndio for considerado elevado.
  • Em caso de piquenique leve a refeição preparada de casa.
  • As fogueiras só podem ser feitas nos locais próprios tendo os seguintes cuidados:
  • Limpe o terreno onde vai fazer a mesma, tendo especial atenção às folhas secas;
  • Delineie com um círculo de pedras uma área de segurança em redor da fogueira;
  • Molhe intensamente o local à volta da fogueira; 
  • Mantenha um recipiente com água perto da fogueira.
  • Esteja sempre atento.
  • Certifique-se que apaga muito bem o fogo com água e terra.
  • Em dias de muito vento não faça fogueiras.
  • Não deixe lixo na floresta, e tenha especial atenção a garrafas de vidro.


Queimadas:
  • É proibido realizar queimadas nos espaços rurais no período crítico e quando o índice de risco de incêndio é considerado elevado (normalmente o período compreendido entre 1 de Julho e 30 de Setembro).
  • Também durante o período crítico, é proibido o lançamento de foguetes, de balões com mecha acesa e a utilização de fogo-de-artifício.
  • Não faça queimadas junto a florestas.
  • Sempre que realizar queimadas, avise os seus vizinhos.
  • Quando realizar uma queimada tenha sempre a jeito enxadas, pás, mangueiras entre outros meios que lhe permitam apagar um possível incêndio.
  • Não se esqueça que para fazer uma queimada tem de solicitar autorização aos Bombeiros ou à GNR.


Deve avisar as autoridades quando:
  • Vir lixo ou mato muito denso acumulado junto de habitações.
  • Reparar em pessoas com comportamentos de risco.
  • Avistar um possível incêndio florestal.


COMO AGIR
Os incêndios florestais são as catástrofes naturais mais frequentes em Portugal, ameaçando não só o ambiente mas também as populações. Saiba como agir quando tiver de lidar com um incêndio desta natureza…


Se estiver próximo do local de incêndio:
  • Avise imediatamente as autoridades através do 112 ou 117.
  • Tente abafar as chamas, sem colocar a sua vida em perigo, batendo nelas com ramos até à chegada dos bombeiros.
  • Não impeça a ação dos bombeiros e siga sempre as suas indicações.
  • Não deixe a sua viatura estacionada nos acessos utilizados pelos bombeiros para acederem ao local do fogo.
  • Se notar comportamentos de risco e atividades suspeitas, informe as autoridades.


Se o incêndio estiver perto da sua casa:
  • Avise os seus vizinhos.
  • Corte o gás e desligue a corrente eléctrica.
  • Molhe as paredes e os arbustos que rodeiam a sua casa de forma abundante.
  • Se tiver animais, solte-os porque eles saberão o que fazer para se salvarem.
  • Esteja pronto para abandonar a sua habitação.
  • Ligue um rádio a pilhas e esteja atento a todas as indicações difundidas.
  • Proceda apenas à evacuação da sua casa quando as autoridades o recomendarem ou quando a sua vida correr perigo.
  • Obedeça sempre, e rapidamente, às autoridades.


Em caso de evacuação:
  • Tenha em conta que as autoridades não recomendam que abandone a sua casa se a sua vida não correr perigo.
  • Quando estiver a proceder à evacuação da sua casa ajude os que mais precisam como as crianças, os idosos e os deficientes.
  • Não leve consigo objetos pessoais desnecessários.
  • Depois de abandonar a sua casa, não volte atrás até ordem em contrário.

O que fazer durante um Sismo?

PREVENÇÃO
Apesar dos vários avanços tecnológicos, ainda não é possível prever a ocorrência de sismos. No entanto, para tentar diminuir o impacto destes acontecimentos naturais pode preparar-se aplicando os seguintes conselhos:


Conselhos Gerais:
  • Certifique-se que toda a sua família sabe como desligar a eletricidade, a água e o gás.
  • Informe-se sobre a altitude da sua residência face ao nível do mar. Em caso de tsunami saberá se deve deslocar-se para um ponto mais alto do que aquele onde habita.
  • Elabore, em conjunto com a sua família, um plano de emergência para a sua casa. Defina um ponto de encontro e os locais da sua habitação onde os seus familiares se podem abrigar durante o sismo. 
  • Certifique-se que mantém a sua casa arrumada, libertando os corredores e portas de objetos que possam bloquear ou dificultar as saídas. 
  • Quando arrumar objetos pesados, ou de grande volume, faça-o junto ao chão nas estantes mais baixas.
  • Fixe à parede estantes, botijas de gás e objetos potencialmente perigosos que possam cair em caso de sismo.
  • Durante um sismo as famílias podem ficar separadas pelo que é importante definir um ponto de encontro. 
  • Tenha sempre preparado um estojo de emergência com:
    • Lanterna e rádio portátil a pilhas;
    • Pilhas de reserva;
    • Extintor;
    • Água e alimentos embalados, ou enlatados, para três dias;
    • Reservas dos medicamentos que costuma tomar no seu dia-a-dia;
  • Guarde os principais contactos dos serviços de emergência num local onde todos os membros da família os possam encontrar.
  • Tenha sempre à mão agasalhos e sapatos resistentes.



COMO AGIR
O risco sísmico em Portugal Continental é significativo, pelo que é importante estar preparado para estas situações. Saiba como deve agir e como melhor estar preparado para lidar com um sismo.


Indicações Gerais:
  • Mantenha a calma.
  • No caso de encontrar feridos, tente ajudá-los. Evite mover feridos que apresentem fraturas, excetuando os casos em que haja o risco de incêndio, derrocada ou inundação.
  • Ligue o rádio e siga as instruções difundidas.
  • Só deve utilizar o telefone em casos de extrema urgência.
  • Utilize roupa adequada: calças, camisas de mangas compridas e sapatos fortes.


Se estiver num edifício:
  • Mantenha-se num local seguro e afaste-se de janelas, espelhos, chaminés e outros objetos que possam cair.
  • Ajoelhe-se e proteja com as mãos, a cabeça e os olhos.
  • Se estiver nos andares superiores de um edifício não tente abandonar o mesmo. As saídas podem estar bloqueadas.
  • Se estiver no rés-do-chão e se a rua for um espaço aberto, caminhe calmamente para o meio da mesma. 
  • Utilize sempre as escadas.
  • Corte o gás, a água e desligue a eletricidade.
  • Não acenda fósforos ou isqueiros porque há o risco de existirem fugas de gás.
  • Tenha especial atenção aos vidros partidos e cabos de eletricidade.
  • Não toque em materiais metálicos, ou outros materiais condutores, que estejam em contato com fios de eletricidade.
  • Observe o estado do edifício onde está. Se houver risco deste ruir deve abandoná-lo o mais depressa possível.
  • Procure pequenos incêndios e, se for capaz, extinga-os.
  • Se houver derrame de materiais inflamáveis procure limpá-los o mais rapidamente possível.


No exterior:
  • Se for a conduzir, pare o seu veículo e procure espaços abertos, mantendo-se longe de objetos que possam cair como edifícios, encostas e postes de alta tensão. Permaneça no interior da viatura.
  • Durante a atividade sísmica não tente regressar a casa.
  • Afaste-se das praias porque depois de um sismo há a possibilidade de ocorrerem tsunamis.


Locais a evitar:
  • Saídas.
  • Perto de janelas, espelhos e chaminés.
  • Junto a candeeiros, móveis e outros objetos que possam cair.
  • Elevadores.
  • No meio das salas;


Locais seguros:
  • Vão de portas interiores;
  • Cantos das salas;
  • Debaixo de superfícies estáveis como camas e mesas;

O que fazer durante uma Inundação

PREVENÇÃO
As inundações são catástrofes naturais capazes de provocar vários danos físicos e colocar vidas em perigo. Estar preparado para enfrentar estas situações é fundamental para que consiga estar seguro. Fique a saber o que deve fazer para se preparar para uma situação de inundação.


Conselhos Gerais:
  • Não deixe no quintal, ou jardim, objetos que possam ser arrastados pelas águas e bloquear os sistemas de escoamento. 
  • Certifique-se que coloca num lugar seguro as embalagem com produtos poluentes ou tóxicos (exemplos: inseticidas, pesticidas, etc.). Não se esqueça de selar as embalagens.
  • Solte os animais domésticos.
  • Deixe o gado num local seguro.
  • Coloque num saco de plástico selado os documentos e objetos pessoais que considera essenciais.
  • Arranje um estojo de emergência com mala de primeiros socorros, rádio e lanterna a pilhas, pilhas de reserva, medicamentos essenciais, e agasalhos.
  • Tenha uma reserva de água potável e alimentos enlatados, ou embalados, para três dias.
  • Arranje um anteparo de metal, ou madeira, para as portas da sua casa que dão para o exterior.
  • Avalie a hipótese de fazer um seguro da casa e do recheio.
  • Durante as inundações as famílias podem ficar separadas pelo que deve definir um ponto de encontro. 
  • Identifique os pontos altos onde pode refugiar-se em caso de tsunami.


COMO AGIR
Suscetíveis de acontecer entre Outubro e Maio, as cheias são uma ameaçam para a vida das populações. Como tal, é muito importante saber lidar com estes acontecimentos. Fique a saber como agir em caso de inundação.


Cuidados Gerais:
  • Procure dar apoio às crianças, aos idosos e aos deficientes.
  • Esteja atento e siga as indicações da Proteção Civil.
  • Esteja pronto para ser retirado da sua casa.
  • Desligue a eletricidade e corte a água e o gás.
  • Não utilize o telefone, exceto em caso de emergência. Evite sobrecarregar as linhas telefónicas.
  • Não caminhe descalço e evite visitar os locais mais atingidos pelas cheias.
  • Não utilize o seu carro. Pode ser arrastado para fora da estrada.
  • Evite andar em zonas cobertas pela água. No caso de não ter alternativa, caminhe com auxílio de um chapéu-de-chuva ou bengala.
  • Não entre nas zonas de enchente. Pode ser arrastado pela corrente ou dar-se um aumento repentino do nível da água.
  • Beba apenas água engarrafada. Não beba água das cheias e evite beber água da torneira.
  • Não coma qualquer alimento que tenha estado em contato com a água das cheias.
  • Para pedir ajuda, utilize um pano com cores vivas, uma lanterna a pilhas ou objetos que possam ser vistos à distância.


Se tiver de proceder à evacuação da sua casa:
  • Mantenha-se calmo e siga sempre as orientações transmitidas pela Proteção Civil.
  • Quando tiver abandonar a sua casa, faça-o de forma rápida e organizada.
  • Leve consigo uma mochila com os seus objetos pessoais indispensáveis, não esquecendo de incluir um estojo de emergência, dinheiro, uma garrafa de água e alimentos embalados ou enlatados.
  • Tranque as portas que dão para o exterior.
  • Esteja sempre atento e pronto para ajudar quem necessitar.

O que fazer durante uma vaga de frio

As reduções acentuadas e repentinas da temperatura constituem uma ameaça à saúde de qualquer pessoa. Tendo este facto em consideração, é essencial saber lidar com estas situações para evitar complicações.


Indicações Gerais:
  • Procure ficar em casa ou em locais quentes.
  • Preste atenção aos noticiários e às indicações da Proteção Civil.
  • Vista várias camadas de roupa, em vez de uma única peça grossa, e evite roupas muito justas que o façam transpirar.
  • Evite realizar atividades físicas intensas porque estas obrigam o coração a um esforço maior, podendo levar a um ataque cardíaco.
  • Não consuma bebidas alcoólicas. A sensação de calor proporcionada por estas é enganadora e momentos depois irá sentir-se mais frio.
  • Não ingira bebidas com cafeína pois estas aumentam o esforço cardíaco.


Em casa:
  • Tente poupar energia, desligando os aparelhos elétricos que não necessita para evitar sobrecarregar o sistema de eletricidade. Tenha à mão uma lanterna a pilhas.
  • No caso de usar lareiras, ou outros sistemas de aquecimentos à base de lenha, certifique-se que há renovação de ar. A combustão origina monóxido de carbono, um gás que pode ser letal.
  • Ao utilizar aquecedores, esteja atento para evitar acidentes domésticos como incêndios ou sobrecargas da rede elétrica.


No exterior:
  • Não esteja exposto ao frio durante longos períodos de tempo.
  • Evite caminhar sobre a neve e sobre o gelo para evitar quedas.
  • Utilize luvas, gorro e cachecol para cobrir a boca e o nariz e impedir a entrada de ar frio nos pulmões.
  • Utilize calçado apropriado às condições exteriores.
  • Evite molhar-se ou estar ao vento para que o seu corpo não arrefeça.
  • Não realize atividades físicas violentas. Nestas condições, o seu corpo já está em esforço para manter a temperatura corporal.


Se viajar:
  • Mantenha uma velocidade reduzida. Tenha especial atenção às zonas mais sombrias da estrada onde se podem formar placas de gelo.
  • Se por algum motivo a sua viatura ficar imobilizada ligue 112. Chame a atenção colocando um pano colorido na antena do carro ou na janela.
  • Fique dentro do veículo onde está mais protegido do frio e da trovoada.
  • Deixe uma fresta da janela oposta ao vento aberta.
  • Movimente-se, mexendo pernas, braços e dedos para ativar a circulação sanguínea. Não adormeça.
  • De hora a hora, ligue o aquecimento do veículo durante 10 minutos.
  • Informe sempre alguém sobre o percurso que vai realizar.
  • Leve consigo um estojo de primeiros socorros, agasalhos, alimentos, um telemóvel e um pano colorido.

O que fazer durante uma vaga de calor

As ondas de calor são períodos críticos em que as temperaturas máximas atingem valores superiores ao normal. Não havendo os cuidados necessários, este aumento das temperaturas pode causar lesões irreversíveis e, em alguns casos, a morte. Aprenda a lidar com estas situações.


Indicações Gerais
  • Beba água e sumos naturais com regularidade, mesmo que não tenha sede. É fundamental repor a água e os sais minerais perdidos pelo corpo durante a transpiração.
  • Não consuma bebidas que aumentem a desidratação. Bebidas quentes, alcoólicas, gaseificadas e ricas em cafeína e açúcar não devem ser ingeridas.
  • As refeições devem ser ligeiras, sem condimentos e pobres em gordura.
  • Deve comer pouco de cada vez, mas várias vezes ao dia.
  • Vista roupas leves de algodão e com cores claras.
  • Não deve usar fibras sintéticas ou lã. Roupas com cores escuras aumentam a transpiração e também não devem ser usadas.
  • Procure ficar em locais frescos.
  • Não saia à rua nas horas de maior calor. Se sair proteja a cabeça, usando um chapéu ou um lenço.
  • Caso sofra de epilepsia ou tenha doenças cardíacas, renais, no fígado ou problemas de retenção de líquidos, deve consultar o médico antes de aumentar o consumo de líquidos.


Em casa:
  • Abra as janelas e feche as persianas para que o ar circule e a sua casa arrefeça.
  • Se o seu corpo estiver muito quente não tome banho com água fria. Use água tépida para evitar o choque térmico.


No exterior:
  • Proteja a cabeça usando um chapéu ou um lenço.
  • Procure ficar à sombra, usando chapéu ou lenço, óculos escuros e protetor solar.
  • Não esteja na praia durante as horas de maior calor.
  • Não esteja em filas de espera ao sol durante muito tempo.
  • Evite praticar desporto nas horas de maior calor.


Em caso de viagem:
  • Evite viajar durante as horas de maior calor.
  • Evite fazer percursos longos.
  • Consuma líquidos, de preferência água e sumos naturais.
  • Utilize o ar condicionado ou mantenha as janelas do veículo abertas.
  • Equipe as janelas do veículo com telas apropriadas para proteger os passageiros da exposição solar. 
  • Se viajar com bebés, crianças ou idosos certifique-se que eles bebem água frequentemente. Certifique-se que levam roupas leves de algodão com cores claras e que se mantêm arejados.

Ataque terrorista

Os ataques terroristas são uma das ameaças permanentes do século XXI e podem ser executados de várias maneiras, sendo a preparação para um evento desta natureza complicada. No caso de um ataque terrorista, o mais importante é seguir as instruções prestadas pelas autoridades competentes, como a polícia, as corporações de bombeiros e a proteção civil. No entanto, existem alguns procedimentos que o poderão ajudar a estar preparado para estas situações.
 
Indicações gerais de segurança:
  • Esteja atento ao que se passa à sua volta.
  • Se detetar algo estranho deve abandonar o local onde está.
  • Em caso de viagem:
    • Esteja especialmente atento a comportamentos estranhos;
    • Não aceite ofertas como pacotes e envelopes de pessoas que não conhece;
    • Nunca abandone a sua bagagem;
    • Informe as autoridades quando encontrar bagagens abandonadas ou pessoas com comportamentos estranhos.
  • Quando estiver num edifício que não conhece, informe-se sobre a localização das saídas de emergência.
  • Esteja preparado para sobreviver sem acesso a serviços do seu dia-a-dia como eletricidade, telefones, gás natural, rede de multibanco, gasolina, internet entre outros.
  • Certifique-se que nos edifícios que frequenta existe:
    • Rádio e lanternas a pilhas;
    • Pilhas de reserva;
    • Mala de primeiros socorros;
    • Capacetes de proteção e máscaras de pó;
    • Fita de cor fluorescente para isolar as áreas mais perigosas.
 
Locais Mais Comuns de Ataques:
Há locais que devido à sua função são vistos como alvos preferenciais para os ataques terroristas. Estes lugares têm normalmente uma grande concentração de pessoas ou guardam materiais essenciais à segurança de um país. Os alvos preferenciais são:
 
  • Edifícios militares, civis e governamentais.
  • Aeroportos.
  • Cidades de grande dimensão.
  • Espaços públicos.
  • Monumentos históricos.
  • Sistemas de abastecimento de água.
 

ATENTADOS COM UTILIZAÇÃO DE BOMBAS
Se atender um telefonema e for informado sobre uma ameaça de bomba, deve recolher o máximo de informação sobre a bomba e sobre quem telefona.

Deve perguntar o seguinte:
 
  • Quando é que a bomba vai explodir?
  • Onde está a bomba?
  • Qual o aspeto dos explosivos?
  • Que tipo de bomba é?
  • Que mecanismo vai acioná-la?
  • Foi a pessoa ao telefone que colocou a bomba?
  • Porquê?
  • Qual o seu endereço?
  • Qual o nome?

Tente manter a pessoa do outro lado da linha o máximo de tempo que conseguir e, se possível, grave a chamada.

Deve também informar, o mais depressa possível, a polícia e os responsáveis de segurança sobre a ameaça.
 

O que fazer durante a explosão de uma bomba
Se estiver num edifício em caso de atentado terrorista, deve manter a calma e atuar da seguinte maneira:
 
  • Se estiverem a cair objetos à sua volta, procure abrigo debaixo de uma mesa, secretária, ou objetos semelhantes que possam oferecer-lhe segurança.
  • Quando os objetos pararem de cair, deve sair rapidamente do edifício, tendo sempre atenção aos caminhos que atravessa. Há o risco de pisos e escadas desabarem.
  • Tenha sempre atenção porque mesmo depois da explosão corre o risco de ser atingido por materiais que se soltem do teto.
  • Não entre em elevadores, utilize sempre as escadas.
 
No exterior do edifício:
  • Mantenha as portas desobstruídas para não dificultar a saída de pessoas que se encontrem no interior do edifício.
  • Evite ficar parado na frente de janelas, portas de vidro ou outras áreas onde possa estar em perigo.
  • Não fique parado em passeios ou estradas utilizadas pelas equipas de regaste.
 
Se ficar preso nos destroços de um edifício:
  • Se possível, utilize uma lanterna, ou um apito, para indicar a sua presença às equipas de socorro.
  • Bata com algum material em canos, ou semelhantes, para que as equipas de salvamento saibam onde está.
  • Evite gritar. Faça-o apenas em último recurso porque ao gritar pode inalar quantidades perigosas de pó.
  • Evite movimentos desnecessários para não levantar poeira.
  • Proteja a boca e o nariz. As roupas de algodão são um bom exemplo de filtro para evitar inalar poeira.


CORREIO E ENTREGAS SUSPEITAS
Os correios são um dos meios utilizados por terroristas para assustar as populações e pressionar políticos. Deve ter cuidado com todo o correio que recebe, especialmente no seu local de trabalho. As encomendas e cartas podem conter explosivos artesanais, produtos químicos ou agentes biológicos.
 
Características comuns a encomendas suspeitas:
 
  • São cartas ou encomendas inesperadas e de pessoas desconhecidas.
  • Não mencionam o remetente e têm menções como “pessoal”, “privado”, urgente ou “confidencial”.
  • Cartas dirigidas a pessoas que já não habitam/trabalham no sítio para onde são enviadas.
  • Correio de desconhecidos onde o endereço não está correto. (Ex: código postal diferente da morada; carimbo distante da residência do remetente, etc.).
  • Nome e endereço do destinatário incorretos (escrita irregular, erros ortográficos, títulos académicos trocados, endereço incompleto, etc.).
  • Existência de odor suspeito e manchas estranhas.
  • Excesso de fita adesiva.
  • Embalagem rígida ou insuflada.
  • Arames ou fios à vista.


Cuidados a ter com encomendas suspeitas:
 
  • Não comer ou beber nas áreas destinadas à abertura do correio.
  • Não cheirar as encomendas ou os envelopes que lhe pareçam suspeitos.
  • Colocar o correio num recipiente onde este possa ser selado. Caso isto não seja possível, deve colocar o mesmo num caixote do lixo e cobri-lo com peças de roupa.
  • Deve manusear com cuidado qualquer carta que lhe pareça suspeita. Isto é, utilizar proteção nas mãos, e não abanar, apertar ou deixar cair o recipiente desta.
  • Se tiver de sair da sala onde esteve em contacto com o correio suspeito, feche a sala para que mais ninguém entre nela.
  • Lave as mãos com água e sabão.
  • Avise as autoridades competentes (112) e o responsável pela segurança do edifício.
  • Se houver indícios de que a correspondência tem material explosivo ou radioactivo, deve proceder-se imediatamente à evacuação do edifício.
 

ATAQUES BIOLÓGICOS
Os ataques biológicos podem causar momentos de pânicos pois o desconhecimento face aos mesmos causa grande incerteza junto das populações. As ameaças neste tipo de ataques podem ser muito variadas pelo pode ser fundamental saber como agir.
 
Cuidados a ter antes de um ataque biológico
Ter a vacinação em dia. Este ponto assume especial importância para crianças e idosos porque estes são os mais vulneráveis perante agentes biológicos.
Considere a instalação de um filtro de ar de alto rendimento em sua casa. Este é capaz de filtrar a maioria dos agentes biológicos.
 
Durante um ataque biológico
Os ataques biológicos são situações em que as autoridades podem demorar algum tempo a descobrir as ameaças. Deve por isso:
 
  • Manter sempre a calma e acalmar os que estão à sua volta.
  • Acompanhar os boletins informativos.
  • Obedecer sempre às instruções das autoridades competentes.
 
Caso esteja em contacto com uma substância suspeita:
  • Afaste-se rapidamente do local.
  • Lave as mãos com sabonete e água.
  • Contacte as autoridades competentes através do 112.
 
Em caso de exposição a um agente biológico:
  • Retire todas as suas roupas e objetos que estejam em contacto com o seu corpo e coloque-os num saco. As roupas da cintura para cima devem ser cortadas para evitar que entrem em contacto com os olhos ou/e a boca.
  • Lave-se com água e sabão e vista roupas lavadas.
  • Ligue para as autoridades competentes (112) para obter assistência.
  • Prepare-se para ficar de quarentena.
 
Depois de um ataque biológico:
Depois de um ataque biológico, deve seguir sempre as instruções fornecidas pelas autoridades competentes.

Esteja atento aos blocos informativos que são o principal meio utilizado pelas autoridades para lhe darem instruções.

 
ATAQUES QUÍMICOS
As ameaças dos agentes químicos não são facilmente detetáveis, sendo que os seus efeitos não afectam somente os humanos mas também insetos e outros animais. Enquanto no exterior a maior parte dos agentes químicos tende a dispersar rapidamente, nos edifícios, quando concentrados, os agentes químicos podem ser altamente letais.

Os ataques com agentes químicos são muito difíceis de detetar uma vez que estes não têm cor ou cheiro. No entanto, os seguintes sintomas podem indicar uma situação de ataque químico:
 
  • Dificuldades respiratórias;
  • Irritação nos olhos;
  • Dificuldades de coordenação motora;
  • Náuseas;
  • Ardor no nariz, garganta e pulmões.

Além dos sintomas indicados, é também possível que se verifique à volta do espaço infetado um invulgar número de animais e insetos mortos.
 
Precauções para lidar com ataques químicos:
  • Defina em casa e nos locais que frequenta regularmente uma sala que será utilizada como abrigo. De preferência escolha uma divisão sem portas, nem janelas ou grelhas de ventilação.
  • Verifique se no seu estojo de emergência tem:
    • Tesoura e fita para isolar áreas;
    • Plástico para cobrir as portas, as janelas e as grelhas de ventilações da sua sala/abrigo. Para poupar tempo importante, procure ter o plástico cortado à medida das portas, janelas ou grelhas ventilação da sala.
 
Em situação de ataque químico
Se as autoridades derem instruções para ficar em casa ou no local de trabalho deve:
  • Fechar todas as portas e janelas;
  • Desligar os sistemas de ventilação, ares-condicionados e semelhantes;
  • Procurar abrigo no interior do edifício e levar consigo o seu estojo de emergência;
  • Isolar o abrigo com a fita do estojo de emergência e colocar os plásticos previamente cortados nas portas, janelas e grelhas de ventilação;
  • Ouvir através do rádio a pilhas as instruções das autoridades competentes.

Se estiver numa área contaminada deve:
  • Retirar-se urgentemente da área e procurar um abrigo o mais depressa possível;
  • Contactar as autoridades competentes através do 112 e pedir instruções.


Depois de um ataque químico:
  • Não abandone o seu abrigo até ter indicação das autoridades para o fazer.
  • Se estiver contaminado necessita da atenção de um profissional urgentemente.

No entanto em situações de emergência pode não haver apoio disponível. Nesse caso, deve proceder por si mesmo à descontaminação.
 
Processo de descontaminação:
  • Remova todos os objetos e roupas que tenham estado em contacto com o seu corpo. As roupas da cintura para cima devem ser cortadas para evitar que entrem em contacto com os olhos ou/e a boca.
  • Coloque os objetos contaminados dentro de um saco de plástico e sele o mesmo.
  • Descontamine as mãos com sabão e água.
  • Tire os óculos ou lentes de contato e meta-os em lixívia durante alguns momentos. Depois seque-os com um pano.
  • Lave a cara e o cabelo com água e sabão.
  • Passe os seus olhos por água.
  • Lave com água e sabão outras partes do seu corpo que possam estar contaminadas.
  • Vista roupas não contaminadas. Normalmente, as roupas que estão em armários ou gavetas não ficam contaminadas.
  • Ligue para as autoridades competentes através do 112 e dirija-se a um hospital para ser observado por profissionais.


AMEAÇAS NUCLEARES
As ameaças nucleares, como bombas atómicas ou bombas radioativas (RDD), são extremamente perigosas. Isto deve-se à libertação de matéria radioativa e aos efeitos que esta provoca. Saber como agir no caso de ameaças nucleares pode ser fundamental para garantir o bem-estar das populações e minimizar os efeitos desta.

Os seguintes conselhos são dados a pensar no caso de uma bomba atómica. No entanto, estes podem ser aplicados em todas as situações onde existe libertação de matérias radioativas.
 
Antes da explosão:
  • Faça uma lista dos locais onde se pode abrigar. Os abrigos devem estar próximos das áreas que regularmente frequenta.
  • Os abrigos devem ser subterrâneos.
  • Caso o abrigo não seja subterrâneo certifique-se que este não tem janelas, e que as paredes são suficientemente grossas para absorver a radiação libertada.
  • Em caso de ameaça nuclear, tenha o cuidado de garantir mantimentos no seu estojo de emergência para períodos superiores a duas semanas.
 
Durante o rebentamento de uma bomba atómica:
Se as autoridades derem o alerta de perigo de explosão nuclear deve:
  • Abrigar-se o mais depressa possível, e, de preferência, debaixo do solo.
  • Manter-se no abrigo até instruções em contrário.
  • Seguir as instruções das autoridades competentes.
 
Se não conseguir ir para um abrigo:
  • Não olhe para a explosão nem para a bola de fogo. Pode ficar cego.
  • Abrigue-se atrás de tudo o que o possa proteger.
  • Deite-se no chão protegendo a cabeça. Fique assim durante vários minutos. A onda de energia pode demorar mais de trinta segundos até alcançar o ponto onde está abrigado.
  • Mesmo depois da explosão, procure um abrigo. Se estiver a quilómetros de distância da explosão não se esqueça que a radiação pode ser transportada pelo vento.
 
Após o rebentamento de uma bomba atómica:
  • Não abandone o abrigo até ordens em contrário. As pessoas abrigadas perto da zona de explosão podem ter de ficar no abrigo por períodos superiores a um mês.
  • Escute nos meios de comunicação social as instruções das autoridades competentes.
  • Nunca se aproxime da área de explosão.

Outras emergências

No nosso dia-a-dia há várias atividades que efetuamos, e equipamentos que usamos, que envolvem um certo grau de risco. O facto de utilizarmos eletricidade, gás ou objetos cortantes nas nossas habitações faz com que possam ocorrer determinados acidentes que exigem cuidados especiais.


O QUE FAZER EM CASO DE...

Cortes/Feridas Superficiais Simples:
  • Lave com água e sabão e aplique um antissético não corante aquoso (ex: betadine). Depois da lavagem e de aplicado o antissético, coloque um penso sobre a ferida.

Cortes /Feridas Complexos:
  • Lave muito bem a ferida com água e aplique um penso compressivo sobre a mesma. Dirija-se ao hospital.

Queimaduras pouco Extensas:
  • Aplique água fria diretamente sobre a queimadura ou gelo de forma indireta. Se surgirem bolhas não as rebente e aplique um penso humedecido.

Queimadura Extensa:
  • Não tente tratar as feridas com pomadas ou medicamentos. 
  • Nunca tente retirar a roupa se ela tiver em contacto com as queimaduras (há o risco de a pele ser arrancada). Aplique pensos humedecidos com água fria sobre a roupa.
  • Leve a vítima o mais rapidamente possível para o hospital.

Queimaduras com Produtos Químicos:
  • Lave abundantemente com água da torneia as partes do corpo afetadas, e tenha especial atenção com os olhos.
  • Dirija-se urgentemente ao hospital mais próximo.


Choques eléctricos de baixa tensão:
  • Corte imediatamente a corrente desligando o objeto em causa ou o quadro geral de eletricidade.
  • Caso não seja possível cortar a corrente é necessário afastar a vítima das partes em tensão. Seja extremamente cuidadoso ao realizar este processo: 
    • Coloque-se sobre uma superfície seca de material não condutor (plásticos, borracha e madeira).
    • Proteja as mãos com luvas de borracha, sacos de plástico, uma toalha ou peças de roupas. Se necessário recorra a varas ou cabos de madeira. Todos os materiais devem estar secos. 
    • Ao separar a vítima dos focos de tensão elétrica, faça-o de forma brusca, evitando agarrar firmemente o sinistrado.
  • Ligue para o 112.
  • Se a vítima não der sinais de vida depois de desligada da corrente elétrica, faça-lhe respiração artificial. De preferência utilize o método boca-a-nariz e a massagem cardíaca externa.


Intoxicações:
Não espere pelo surgimento dos primeiros sintomas, actue o mais depressa possível.
 
  • Contacto com os olhos: 
    • Lave com água corrente durante 15 minutos mantendo as pálpebras afastadas.
    • Não aplique qualquer produto.
    • Contacte o CIAV (Centro de Informação Antivenenos). 
  • Contaminação da pele:
    • Retire as roupas contaminadas.
    • Lave as zonas afetadas com água durante 15 minutos.
    • Contacte o CIAV (Centro de Informação Antivenenos).
  • Picada de Animal:
    • Imobilize a zona picada
    • Aplique frio (água ou gelo) na zona afectada. No caso da picada ter sido de um peixe-aranha deve aplicar calor.
    • Contacte o CIAV (Centro de Informação Antivenenos).
  • Inalação:
    • Retire a vítima para o ar livre
    • Contacte o CIAV (Centro de Informação Antivenenos).
  • Ingestão:
    • Não provoque o vómito.
    • Beba uns golos de água ou leite.
    • Contacte o CIAV (Centro de Informação Antivenenos).
  • Ligue para o CIAV – Centro de Informação Antivenenos – através do 808 250 143 e responda às seguintes perguntas:
    • Quem: idade, sexo…
    • O quê: nome da substância tóxica…
    • Quanto: quantidade ingerida, inalada…
    • Quando: há quanto tempo…
    • Onde: casa, local de trabalho, parque…
    • Como: em jejum, com bebidas alcoólicas…
  • Caso não consiga ligar para o CIAV, ligue 112 ou dirija-se para o hospital mais próximo. Quando se deslocar para o hospital leve consigo as embalagens, ou rótulos, das substâncias que suspeita terem provocado a intoxicação.


Monóxido de Carbono:
  • Entre no local onde se encontra a vítima, contendo a respiração para não perder os sentidos.
  • Abras as janelas ou portas para arejar o local. Sempre que precisar de respirar faça-o no exterior.
  • Retire a vítima para um local arejado.
  • Desaperte as roupas da vítima para que esta possa respirar.
  • Desligue a válvula ou redutor do gás.
  • Contacte o 112 ou Centro de informação Anti-Venenos – 808 250 143 – e informe o médico que suspeita de intoxicação por monóxido de carbono.

Conselhos e contactos úteis

Todos sabemos que em caso de Emergência podemos ligar para o 112, mas poucos sabemos como proceder durante a chamada. O pânico, os nervos e a ansiedade não nos ajudam na altura de fazermos a chama de emergência, é por isso importante saber como proceder.
 
Quando ligar para o 112 deve:
  • Saber a morada do sítio de onde liga e o número do telefone que está a utilizar para fazer a chamada.
  • Certificar-se que está em segurança no momento em que faz a chamada.
  • Falar com tranquilidade e devagar para que a operadora entenda todas as suas informações.
  • Saber responder a cinco perguntas essenciais: O quê? Onde? Como? Quando? Quem?
  • Nunca desligar a chamada e esperar que seja a operadora a fazê-lo.
 
 
ESTOJO DE EMERGÊNCIA
Em situações de emergência é importante ter à mão um estojo que seja capaz de responder às necessidades mais básicas e imediatas. Este artigo informa-o sobre o que deve incluir neste estojo…
 
O estojo de emergência deve ser constituído por:
  • Rádio a pilhas;
  • Lanterna a pilhas;
  • Pilhas de reserva;
  • Sacos de plástico que possam ser selados para guardar documentos pessoais de identificação e dinheiro;
  • Água potável para três dias;
  • Comida embalada ou enlatada para três dias;
  • Abre-latas e canivete;
  • Velas e fósforo ou isqueiros;
  • Agasalhos e reserva de roupa;
  • Materiais de primeiros socorros;
    • Desinfetante líquido.
    • Uma solução dérmica para lavagem da pele.
    • Pensos, compressas e ligaduras de diferentes tamanhos.
    • Compressas de gaze para queimaduras.
    • Adesivo.
    • Tesoura.
    • Creme hidratante.
  • Manual de primeiros socorros;
  • Reserva dos medicamentos que toma no seu dia-a-dia;
  • Pano colorido e apito;
  • Lista de contactos de emergência;

O estojo de emergência é feito para garantir a autossuficiência durante três dias. Este poderá ser alterado de acordo com as necessidades de cada um.
 

LISTA DE CONTACTOS
Linha de Emergência: 112
Linha de Incêndio Florestal: 117
Saúde 24: 808 242 424
Centro de Informação Anti-Venenos: 808 250 143



Instituto Nacional de Emergência Médica:
Telefone: 213 508 100
Morada: Rua Almirante Barroso, 36, 1000-013 Lisboa
Email: inem@inem.pt


CIAV – Centro de Informação Anti-Venenos:
Telefone: 808 250 143
Morada: Rua Almirante Barroso, 36, 1000-013 Lisboa
Email: ciav.tox@inem.pt


ANPC – Autoridade Nacional de Proteção Civil:
Telefone: 214 247 100
Morada: Av. Do Forte em Carnaxide 2794-112 Carnaxide
Email: geral@prociv.pt


PSP – Polícia de Segurança Pública:
Telefone: 218 111 000
Morada: Largo Penha França, 1, 1170-298 Lisboa
Email: contacto@psp.pt


GNR – Guarda Nacional Republicana:
Telefone: 213 217 000
Morada: Largo do Carmo, 1200-092 Lisboa
Email: gnr@gnr.pt


MAI – Ministério da Administração Interna:
Telefone: 213 233 000
Morada: Praça do Comércio - Ala Oriental, 1149-018 Lisboa
Email: dirp@sg.mai.gov.pt

O que fazer em caso de tornado

Em Portugal, tem sido feita desde 1999 uma recolha dos dados disponíveis relativos aos tornados. Verificou-se que o tornado mais intenso (um F3 na escala de Fujita - o antepenúltimo nível no grau de destruição provocada) ocorreu em Castelo Branco, a 6 de Novembro de 1954, causando 5 mortos e 220 feridos, tendo destruído a estação meteorológica local.
 
A partir de 2001, a recolha de dados de campo revelou a existência de tornados mais fracos e de percursos muito mais longínquos. Desde 2006 tem sido registado um aumento do número de ocorrências de tornados no distrito de Santarém, acontecendo desde então pelo menos um por ano.
 
O último grande tornado em Portugal aconteceu dia 7 de Dezembro de 2010, na região Oeste do país: atingiu a zona de Tomar, Ferreira do Zêzere e Sertã. Provocou 40 feridos e prejuízos de 16 milhões de euros. Foi até hoje o tornado mais forte alguma vez registado em Portugal (F3 na escala de Fujita).
 
Estes fenómenos extremos são cada vez mais frequentes e devemos ter alguns cuidados essenciais. Aqui estão algumas medidas de prevenção que convém conhecer em caso de emergência.
 
O que fazer antes da intempérie
  • Desenvolver um plano de emergência para toda a família, considerando várias possibilidades (casa, rua, trabalho e escola) e definir os vários locais de abrigo possíveis;
  • Conhecer bem a zona de residência e ter um mapa sempre presente;
  • Estar atento aos meios de comunicação (rádio e televisão), para se manter atualizado.
 
Em caso de evacuação deve:
  • Abandonar as zonas de baixa altitude;
  • Certificar-se do fecho da água, do gás e da eletricidade;
  • Abandonar a residência sempre que seja aconselhado e verificar que ficou fechada convenientemente;
  • Fechar as janelas com as persianas ou tapá-las com tábuas;
  • Calcar as portas de vidro;
  • Recolher todos os objetos que possam ser levados pelo vento;
  • Não permanecer em casas pré-fabricadas;
  • Certificar-se de que o automóvel tem combustível suficiente;
  • Conduzir com cuidado e usar as rotas de evacuação definidas pelas autoridades.
 
Durante a aproximação da intempérie deve/não deve:
  • Colocar faixas cruzadas (em forma de X) de fita adesiva nas janelas, para evitar o arremesso de estilhaços;
  • Não propagar rumores falsos ou informações exageradas sobre a situação;
  • Não abrir as cortinas, pois servem de proteção contra eventuais estilhaços;
  • Armazenar bens de primeira necessidade (água, leite, bolachas, conservas, entre outros);
  • Fechar todos os depósitos de gás;
  • Ter sempre roupa impermeável disponível.
 
Durante a intempérie deve:
  • Manter-se dentro de casa, no piso inferior e na divisão interior, afastado das janelas e debaixo de um objeto resistente (cama, secretária, armário);
  • Fechar todas as portas e reforçar as do exterior;
  • Não ceder ao pânico e manter a calma;
  • Não sair de casa até autorização das autoridades;
  • Vigiar periodicamente o nível de cheia perto de sua casa;
  • Se estiver na rua, deve afastar-se das árvores, dos postes e dos muros e proteger a cabeça.
 
Depois da intempérie, o que deve fazer:
  • Se houver feridos, levá-los aos serviços de emergência ou ao hospital;
  • Hidratar-se e alimentar-se convenientemente;
  • Limpar cuidadosamente algum derrame potencialmente perigoso de substâncias tóxicas ou inflamáveis;
  • Permanecer em casa, caso esta esteja em bom estado;
  • Manter desligado o gás, água e eletricidade até ter a certeza de que não há fugas nem perigo de curto-circuito;
  • Usar o telefone unicamente para reportar emergências;
  • Se tiver que sair, evite tocar ou pisar postes ou cabos elétricos.