PT EN   
 

Cidadão

Segurança no Trabalho

Prevenção no Tabalho

Os acidentes no trabalho têm custos elevados para trabalhadores e empregadores. Como tal, é importante adotar comportamentos preventivos e estar informado sobre as práticas que podem reduzir e eliminar riscos. Mais do que uma obrigação da entidade patronal, a prevenção é um dever de todos.
 
Cuidados para evitar Incêndios:
  • Nunca deixe as pontas dos cigarros, ou cinzas dos mesmos, em papeleiras e cestos de papéis.
  • Nunca fume nas salas de arquivo ou nas arrecadações. Normalmente, encontram-se nestas divisões materiais extremamente inflamáveis.
  • Não coloque materiais inflamáveis, como papéis, junto a fontes de calor (Ex.: lâmpadas, aquecedores, focos…). 
 
Cuidados com a corrente Elétrica:
  • Não deixe os equipamentos elétricos ligados quando abandonar o seu local de trabalho.
  • Ligue, sempre que possível, os equipamentos elétricos, e em especial os de grande consumo, a tomadas com ligação terra.
  • Confira regularmente o estado de conservação dos cabos e instrumentos elétricos. Certifique-se que estes são substituídos quando apresentam condições deficientes. 

Cuidados com as Instalações:
  • As saídas e escadas de emergência nunca devem estar obstruídas.
  • Secretárias, armários e outros objetos não devem ser colocados em lugares onde perturbem a evacuação do edifício.
  • Fios de equipamentos elétricos ou informáticos não devem estar colocados em caminhos utilizados para a evacuação de edifícios.
  • As salas de arquivo devem estar sempre limpas e arrumadas porque são sítios onde estão armazenados materiais inflamáveis.
  • Quando utilizar os elevadores para transportar cargas, certifique-se que estes não vão ficar sobrecarregados. 

Plano de Emergência e Equipamento de Segurança:
  • Conheça e treine o plano de segurança interno da instituição ou empresa onde trabalha.
  • Certifique-se que sabe onde se situam, e como utilizar, os meios de combate intervenção a incêndios (Ex.: extintores ou carretéis).
  • No caso do edifício ser constituído por pisos, ou setores diferentes, assegure-se que há um responsável por cada setor/piso.
  • Os equipamentos de segurança contra incêndios devem ser sempre visíveis, não devendo estar tapados ou “escondidos” por outros objetos.
  • Se verificar que o material de segurança contra incêndios não está em condições de ser utilizado, avise o responsável pela segurança.
  • Tenha sempre uma mala de primeiros socorros no local de trabalho. 

Obrigações do Empregador:
  • Avaliar as condições e características dos locais de trabalho e os riscos que existem nestas.
  • Fornecer a proteção individual e garantir que esta está em boas condições.
  • Preparar os trabalhadores para os riscos com que estes vão lidar através de formações e ações informativas.
  • Estabelecer as medidas adequadas para que os primeiros socorros sejam prestados em caso de necessidade. 

Conselhos para Trabalhadores:
  • Torne o seu local de trabalho confortável e mantenha-o arrumado.
  • Esteja especialmente atento quando realizar tarefas perigosas.
  • Não ingira bebidas alcoólicas durante as horas de trabalho.
  • Alimente-se bem e não vá trabalhar sem tomar o pequeno-almoço.
  • A fadiga é uma das causas mais comuns de acidentes no trabalho. Evite ir trabalhar cansado. 

Equipamentos de Proteção Individual (EPI):
  • Informe-se sempre sobre os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) que tem de utilizar durante o seu trabalho e sobre a proteção que estes lhe oferecem.
  • Os EPI’s devem ser utilizados quando os meios de proteção coletiva não são suficientes para garantir a proteção dos trabalhadores.
  • Utilize sempre o EPI fornecido pela empresa onde trabalha.
  • Os EPI’s devem ser adaptados aos seus utilizadores.
  • Verifique se o EPI fornecido tem:
    • Marcação CE;
    • Indicação da data de validade;
    • Declaração de conformidade;
    • Manual de informações;
    • Exame CE de tipo (alguns);
  • Ao utilizar os equipamentos de proteção individual deve conservá-los e mantê-los em bom estado.
  • Se detetar avarias ou deficiências nos EPI’s avise o responsável de segurança.
  • Participe nas ações de prevenção proporcionadas pela empresa.
  • Obedeça sempre às ordens dos responsáveis pela segurança. Usar um capacete, ou outros equipamentos de proteção, pode ser desconfortável mas pode salvar-lhe a vida. 

Tipo de Equipamentos de Proteção Individual:
  • Proteção de corpo (cordas, arneses e vestuário de proteção).
  • Proteção de cabeça (capacetes).
  • Proteção de mãos e braços (luvas).
  • Proteção dos pés e das pernas (botas).
  • Proteção dos ouvidos (protetores auriculares e tampões).
  • Proteção dos olhos e face (óculos e máscaras).
  • Proteção das vias respiratórias (máscaras ou aparelhos de respiração autónoma).

Segurança em Estaleiros

A construção civil e os estaleiros são lugares propícios a acidentes de trabalho, sendo por isso muito importante tomar as devidas precauções para garantir a segurança dos trabalhadores.

Cuidados para Prevenir Quedas
As quedas são um dos principais acidentes de trabalho e que regularmente resultam em ferimentos graves e, por vezes, são fatais. A prevenção é o primeiro passo para a realização de um trabalho em segurança.
 
  • Considere a utilização de plataformas elevatórias para aumentar a segurança dos trabalhadores.
  • Coloque proteções nos andares superiores e tectos.
  • Os buracos existentes nas obras devem ser sempre cobertos.
  • Sempre que se trabalhar em locais altos deve utilizar-se arneses anti-queda e redes de proteção.
  • Certifique-se que as zonas utilizadas em altura como passagens têm um piso plano para evitar tropeções.
  • As zonas de trabalho devem estar arrumadas, evitando que objetos de trabalho estejam espalhados pelas passagens.
  • O lixo deve ser despejado frequentemente para evitar a acumulação deste.
  • Os cabos de eletricidade utilizados na iluminação e em outras ferramentas devem estar bem assinalados e pendurados a uma altura razoável.
  • As superfícies molhadas ou escorregadias devem ser assinaladas como tal, e se possível devem ser cobertas.
  • Deve sempre utilizar-se calçado adequado.
  • Degraus e mudanças de nível no chão devem ser sempre sinalizados. 
 
Cuidados para Prevenir Acidentes com Andaimes
 
  • Os andaimes não devem ser montados, movidos ou alterados sem a supervisão de uma pessoa competente.
  • Os andaimes nunca devem ser apoiados em objetos que possam ser instáveis, como caixas, barris, tijolos soltos, etc..
  • Os andaimes devem estar equipados com proteções laterais, pranchas metálicas e barra guarda-costas.
  • Os constituintes dos andaimes como parafusos, barras protectoras e escadas devem ser trocados sempre que apresentarem sinais de dano.
  • Os andaimes devem ser inspecionados regularmente, especialmente sempre que houver alterações na estrutura da obra que os possa afetar.
  • Os andaimes devem ser montados a pelo menos três metros de distância de cabos elétricos suspensos.
  • Todos os trabalhadores devem ser prevenidos sobre os perigos de trabalharem em andaimes.
  • Quando as condições climatéricas forem adversas, existindo ventos e neve, os trabalhadores devem evitar a utilização de andaimes.
  • Os andaimes não devem ser deslocados quando estiverem pessoas em cima deles. 

Cuidados para Prevenir Acidentes com Escadas
As escadas devem ser utilizadas em tarefas de curta duração, uma vez que não oferecem grande estabilidade. Muitos dos acidentes que envolvem escadas dão-se porque estas foram utilizadas quando era aconselhável que fossem utilizados andaimes ou plataformas elevatórias.A escada deve ser adequada à tarefa desempenhada.
  • As escadas devem ser verificadas regularmente por uma pessoa competente, sendo que quando esta apresenta sinais de dano deve ser imediatamente reparada.
  • As escadas devem ser limpas regularmente.
  • A altura das escadas deve ser suficiente para se chegar em condições de segurança ao ponto onde se quer trabalhar.
  • Se carregar materiais utilizando escadas, não ultrapasse o peso recomendado pelo construtor.
  • Certifique-se que a escada suporta o peso do utilizador com as ferramentas de trabalho.
  • O seu corpo deve ter sempre três pontos de contacto com a escada.
  • Posicione-se sempre no centro da escada.
  • Carregue as ferramentas num saco. Não utilize as mãos.
  • Mantenha os dois pés no mesmo degrau.
  • Evite utilizar escadas feitas de materiais metálicos perto de ligações elétricas e cabos suspensos.
  • Nunca deve colocar os pés nos últimos três degraus de uma escada. 

Cuidados para Prevenir Acidentes com Gruas
  • Inspecione a grua diariamente.
  • Não ultrapasse a carga máxima que uma grua pode suportar.
  • Quando iniciar a utilização da grua suba o material carregado alguns centímetros e verifique os travões e o balanço da mesma.
  • Os suportes da grua devem estar sempre estendidos ao máximo da sua capacidade.
  • Não movimente materiais em cima de zonas onde estejam trabalhadores.
  • Crie um perímetro de distância à volta da grua que corresponda ao espaço que esta necessita para se movimentar.
  • Antes de instalar a grua, verifique se esta tem uma distância de 3 metros para fios elétricos suspensos.
  • A grua deve ser utilizada por operadores competentes e os dados como a velocidade de rotação e a capacidade de carga da grua devem estar sempre colocados num lugar bem visível.
  • A grua deve ter sempre proteções e degraus que permitam chegar facilmente e em segurança a todas as áreas da mesma. 

Cuidados para Prevenir Acidentes com Empilhadores
  • O equipamento dos empilhadores deve ser verificado regularmente e substituído sempre que necessário.
  • Os empilhadores não devem ser conduzidos por menores de 18 anos.
  • Nunca ultrapasse a capacidade de carga do empilhador.
  • Não realize modificações à capacidade de segurança dos empilhadores sem que estas sejam aprovadas pelo construtor.
  • Siga as instruções de segurança para levantar, mover, arrumar ou descer cargas.
  • Não efetue manobras como piões e semelhantes com os empilhadores.
  • Não viaje no empilhador com a carga levantada.
  • A proteção contra manobras perigosas não deve estar removida.
  • A proteção contra a queda de objetos deve estar sempre colocada.
  • O sinal sonoro de marcha atrás deve estar sempre operacional.
  • O empilhador deve circular a uma velocidade razoável para evitar acidentes. 

Cuidados para Prevenir Acidentes em Valas
  • Os trabalhadores não devem entrar em valas se estas não tiverem proteção contra derrocadas.
  • As valas devem ser inspecionadas por pessoas competentes sempre que um evento como chuvas ou vibrações se verifique.
  • O entulho deve ser sempre removido da vala.
  • A terra deve ser colocada a uma distância de segurança da vala, não podendo esta ficar numa zona onde prejudique o trânsito ou os trabalhos.
  • Deve haver sinalização adequada nas valas assim como nas proximidades.
  • A entivação (proteção contra derrocadas) deve cobrir toda a superfície lateral da vala e prolongar-se acima do nível do terreno. 


Cuidados para Prevenir Acidentes com Eletricidade
  • Não deve ser permitido trabalhar num circuito elétrico até que a energia tenha sido desligada.
  • Os cabos e extensões elétricas devem ser substituídos sempre que estiverem danificados.
  • Mantenha os cabos arrumados de forma a que estes estejam protegidos de danos e acidentes como derrames de água e outras substâncias que possam ser perigosas.
  • As ferramentas e os equipamentos elétricos devem ser verificados regularmente. Quando forem encontrados defeitos devem ser substituídos.
  • Os sistemas individuais de segurança devem ser sempre utilizados.
  • Os cabos de eletricidade suspensos devem estar corretamente identificados e assinalados. 

Cuidados para Prevenir Acidentes com Arrumações – Material e Resíduos
  • Uma das preocupações nos estaleiros e locais de construção deve ser manter o local arrumado para evitar riscos para a saúde, mas também para manter as vias de acesso e vias de emergência sempre livres.Mantenha o estaleiro sempre limpo e arrumado.
  • Defina diferentes áreas para receberem diferentes tipos de lixo. (Ex: uma área para as substâncias inflamáveis, outra para o entulho, uma para o lixo, etc..)
  • Não permita que o lixo seja arrumado em zonas onde ocupe passagens ou saídas de emergência.
  • Os materiais inflamáveis devem ser arrumados longe dos outros materiais e devem ser protegidos de fontes de calor.
  • Se os materiais forem empilhados ou arrumados em altura devem ter barras de proteção.
  • Mesmo as zonas de acumulação de lixo devem ser mantidas arrumadas. 

Cuidados para Prevenir e Lidar com Situações de Incêndio
  • Nos locais de construção devem ser sempre definidas saídas e passagens de emergência, assim como um ponto de encontro.
  • As passagens de emergência devem estar sempre livres e desocupadas para serem utilizadas quando necessário.
  • Quando se trabalha em altura, deve haver mais do que uma passagem para o chão.
  • As portas corta-fogo devem ser montadas nas passagens assim que possível.
  • Quando os trabalhadores não estão familiarizados com as saídas de emergência é necessário instalar sinalização e iluminação para situações de emergência.
  • Nos locais de construção devem estar disponíveis extintores que se adeqúem aos diversos tipos de incêndios.
  • Um sinal sonoro indicativo de emergência, como por exemplo um apito, deve ser definido e comunicado aos trabalhadores. 

Cuidados para Prevenir Acidentes com Materiais Inflamáveis
  • Os materiais inflamáveis devem ser reduzidos ao máximo dentro de uma obra e, sempre que possível, devem ficar arrumados em locais isolados.
  • Apenas os produtos inflamáveis indispensáveis deve ser guardados nos lugares de construção.
  • Os materiais combustíveis devem ser guardados sempre que possível no exterior da estrutura de construção. 

Fontes de Calor – Início de incêndios
  • Não guarde produtos que possam funcionar como combustíveis junto de potenciais fontes de calor.
  • Guarde junto às fontes de incêndio extintores e material de combate contra incêndios.
  • Mantenha os locais vigiados.
  • Verifique o material elétrico regularmente para garantir que este não sobreaquece.
  • Informe os trabalhadores das regras de segurança e dos espaços destinados a fumadores.
  • As queimadas de lixo e entulho não devem ser permitidas na obra. Encontre alternativas para lidar devidamente com o lixo.

Segurança em Ourivesarias

A segurança nas atividades de ourivesaria acarreta cuidados redobrados, sobretudo devido à natureza dos materiais comercializados. Para prevenir a ocorrência de roubos ou mitigar o seu impacto, os profissionais desta atividade poderão adotar alguns procedimentos de segurança em diferentes situações de risco. 

O elevado número de delitos registados nesta área de atividade resulta essencialmente do facto dos produtos serem muito valiosos e por isso mais suscetíveis de interesse. Os delitos mais frequentes são os furtos de instalações (lojas e/ou armazéns), os roubos violentos, os roubos durante o transporte de valores e as burlas/fraudes. As causas mais vulgares que propiciam estes crimes residem em fatores de vulnerabilidade, como o isolamento e despovoamento de áreas e instalações, a inexistência de dispositivos físicos de segurança adequados, a rotina dos trajetos, o porte excessivo de bens valiosos ou o recurso a colaboradores e prestadores de serviços externos. 

Procedimentos de Segurança 
Nas alturas críticas, ou seja, nas situações de risco a que podemos estar sujeitos no dia-a-dia, convém conhecer os procedimentos de segurança a adotar. Existem várias circunstâncias que nos colocam mais vulneráveis a ataques exteriores, pelo que é importante nomear as diversas possibilidades com que nos deparamos. Destacamos agora as principais alturas de risco, em caso de assalto: 
 
  • Trajeto entre casa e trabalho; 
  • Abertura da loja; 
  • Preparação/arranjo das vitrinas; 
  • Ato de venda; 
  • Fecho da loja; 
  • Limpeza e manutenção;
  • Deslocação para feiras e exposições.  

O percurso entre a casa e o trabalho é pautado pela rotina e pela repetição quer dos locais por onde se passa quer pelo horário a que o fazemos. Em relação aos procedimentos de segurança a adotar nesta situação, destacamos duas ações extremamente importantes. A primeira medida a adotar é verificar se é frequentemente seguido pela mesma pessoa ou viatura. Se sim, deve-se mudar de trajeto repentinamente. Se não for suficiente, devemos dirigir-nos à esquadra de polícia mais próxima. A outra medida é verificar minuciosamente se existem pessoas suspeitas nas proximidades do ponto de venda. 


Abertura de Loja 
Em relação ao comportamento que devemos ter aquando da abertura da loja, é importante salientar alguns passos que poderão fazer a diferença. Na abertura do estabelecimento, devemos verificar sempre se está tudo dentro da normalidade nas redondezas do local; outra forma de nos prevenirmos é evitar que apenas uma única pessoa faça a abertura do estabelecimento. Duas ou mais pessoas é o ideal, sendo que uma das pessoas deve estar de vigia enquanto a outra procede à abertura. 

Após a abertura do estabelecimento, deve-se verificar em primeiro lugar o alarme. Os vendedores devem ficar no exterior, preparados para pedir ajuda dos agentes de autoridade caso seja detetada uma situação de perigo. Quem verificou o sistema de alarme deve fazer uma inspeção das instalações e posteriormente informar os funcionários no exterior, através de um código ou sinal, se a situação é ou não anormal. 

A entrada na loja deve fazer-se apenas se tudo estiver bem. Os funcionários devem entrar à vez e com alguns segundos de intervalo. Por norma, nas divisões trancadas o sistema de videovigilância está ativado. Os cofres-fortes, equipados com mecanismo de abertura de ação retardada, são abertos. 


Vendas e atendimento 
A chegada de clientes é uma altura importante, quer para o próprio estabelecimento (pois demonstra interesse e curiosidade), quer também para os vendedores (têm a possibilidade de cativar/fidelizar o cliente). Sempre que um cliente chega à loja, o funcionário deve dirigir-se ao mesmo e perguntar se necessita de ajuda e se deseja algo. O funcionário não se deve deixar influenciar pelo comportamento apressado ou agressivo do cliente, devendo mostrar-se sempre calmo e paciente. É importante ter especial atenção com os clientes que mostrem sinais visíveis de nervosismo (voz estranha ou olhares constantes para fora da loja). Em caso de perigo, tentar manter-se sempre calmo. Nunca se deve deixar o cliente sozinho perto de uma vitrina ou de uma caixa de amostras. Se necessário, pedir a outro vendedor para vigiar a mesa ou balcão. No final, o funcionário deve acompanhar o cliente à porta e verificar se nenhum objeto suspeito (embrulho, guarda-chuva, saco etc.) ficou no interior da loja. 

Fecho da loja 
Em relação ao fecho da loja, a pessoa encarregue do fecho deve fazer uma inspeção às instalações para assegurar que as vitrinas estão arranjadas; as janelas, portas secundárias, armários e os cofres estão bem fechados; as instalações de ar condicionado e de iluminação estão fechadas; não está ninguém no interior das divisões e no fim se procede à ativação dos alarmes. 

Situações de emergência 
No decorrer de uma situação de assalto, estes são alguns procedimentos, que se revelam úteis para sairmos ilesos:
 
  • Manter a calma; 
  • Não oferecer resistência; 
  • Evitar movimentos bruscos; 
  • Se forem vários assaltantes, fixar a sua atenção apenas num, memorizando o aspeto físico e o vestuário; 
  • Não ativar o sinal de emergência durante o assalto; 
  • Não impedir a passagem dos assaltantes; 
  • Contactar de imediato as autoridades; 
  • Não mexer em nada. 

Equipamentos e serviços de segurança 
Quer seja num contexto privado ou empresarial, os equipamentos e serviços de segurança são hoje ferramentas essenciais na proteção e na segurança dos intervenientes. É pertinente referir que estes devem ser adequados ao espaço onde se encontram, de modo a salvaguardar as características físicas e comerciais do estabelecimento ou da habitação. Em relação à segurança física, salientamos duas vertentes: a exterior e a interior. 

Na vertente exterior do estabelecimento temos como exemplo: 
  • Vedações de segurança;
  • Porta principal e portas de segurança;
  • Fechaduras com canhões de segurança;
  • Vidros anti-bala e anti-arrombamento. 

Na vertente interior do estabelecimento podemos encontrar: 
  • Portas de segurança;
  • Cofres-fortes; 
  • Caixas de segurança. 

Focando agora a Segurança Eletrónica, existem diversos sistemas que ajudam a minorar os efeitos negativos da falta de segurança e que se traduzem em: 
 
  • Alarmes com diversos sensores (infravermelhos, microondas, volumétricos, magnéticos para proteção das portas de entrada, etc.); 
  • Dispositivos anti-roubo e anti-sequestro; 
  • Sirenes; 
  • Sistema de transmissão de sinal de alarme; 
  • Câmaras de videovigilância.

Segurança em Armazéns

Em Portugal, as normas de segurança em armazéns são contempladas pelo Decreto-Lei n.º 243/86 de 20 de Agosto, que aprova o Regulamento Geral de Higiene e Segurança do Trabalho nos Estabelecimentos Comercias, de Escritório e Serviços. 

Estas estruturas, devido às características que apresentam e aos trabalhos nelas desenvolvidos, são das que mais perigo apresentam. Entre os acidentes mais comuns estão as quedas (por escorregamento ou tropeção), lesão por queda de materiais e objetos ou por esforços físicos, arrastamento por objetos ou máquinas, acidentes com substâncias inflamáveis, empilhadores e outros meios de transporte utilizados, bem como com material utilizado na carga, descarga e arrumação (paletes, fita-cola, correias, objetos cortantes, entre outros). 

Assim, as possibilidades de acidente são variadas e caracterizadas por uma constante mutação, dependendo do trabalho executado e dos materiais utilizados. Isto significa que além da entidade patronal ter a obrigação de zelar pelas condições de segurança e cumprimento das normas dentro do armazém, cabe também ao trabalhador ter uma postura atenta, tentando ao máximo evitar acidentes. Para isso, há algumas regras a ter em conta.
  

Limpeza e arrumação 
Um dos aspetos simples de prevenção frequentemente ignorado é a limpeza e arrumação do armazém. O próprio artigo 7.º do Decreto Lei n.º 243/86 refere a obrigatoriedade de limpeza de pavimentos, utensílios ou equipamentos de uso diário, bem como das instalações higieno-sanitárias, como vestiários, lavabos, balneários, retretes e urinóis, ou outras comuns postas à disposição dos trabalhadores. Vários acidentes podem acontecer por mau acondicionamento ou limpeza do espaço, dos quais são exemplo:
 
  • Objetos fora do sítio correto.
  • Materiais mal fixados.
  • Objetos cortantes ou de grandes dimensões mal acondicionados.
  • Material inflamável, água, óleo ou outros líquidos derramados que podem provocar incêndios ou quedas (Artigo 32.º do Decreto Lei n.º 243/86). 

Transporte e Movimentação de Materiais ou Objetos 
Quando a tarefa implica o transporte de materiais ou objetos, seja através da utilização de máquinas, seja por força de braços, existem vários cuidados a ter em atenção: 
 
  • Os empilhadores requerem especial atenção devido ao facto de poderem capotar facilmente e deverem ser conduzidos a baixa velocidade e apenas por operários habilitados. Além disso, deve ter-se especial cuidado no acondicionamento da carga. Por outro lado, os restantes trabalhadores que se deslocam a pé devem também prestar atenção para não se atravessarem na zona utilizada pelo condutor.
  • Carrinhos-de-mão, reboques e outros equipamentos de carga exigem especial cuidado também, sobretudo devido a cargas mal acondicionadas ou demasiado grandes que possam provocar desequilíbrio ou má visibilidade.
  • No transporte de materiais por força de braços o principal problema são as lesões musculares.
  • Gruas, guinchos e guindastes também devem ser manuseados com cuidado e por operários especializados e experientes, assim como os restantes trabalhadores que não estão a manusear a máquina devem procurar afastar-se.
  • Por fim, há que ter especial cuidado no transporte e acondicionamento de materiais sensíveis a fim de evitar derrames químicos, fogos ou explosões. 
 
Utilização de Escadas
Nos armazéns é frequente ter de lidar com material de grandes dimensões ou acondicionado em prateleiras, o que obriga ao uso de escadas. Nesses casos, para prevenir quedas, há que ter em atenção: 
  • Antes de mais, escolher a escada mais apropriada ao peso de quem a vai utilizar e ao trabalho que vai efetuar. 
  • A escada deve ser mais alta que o local onde se quer chegar e não ter peças soltas ou danificadas, pelo que se deve inspecionar bem o material antes de dar início à tarefa. 
  • Nunca utilizar escadas de metal perto de fontes elétricas. 
  • Apoiar a escada numa superfície estável e assentar os pés da mesma a uma distância da parede que seja equivalente a ¼ do comprimento. 
  • Não colocar a escada contra uma janela, caixilho, porta destrancada ou qualquer estrutura instável (caixas soltas, por exemplo). 
  • A escada não deve ser utilizada por mais que uma pessoa e os materiais devem ser presos num cinto ou corda, a fim de o trabalhador ter as mãos livres para se poder apoiar bem enquanto sobe. 
 
Segurança na Plataforma de Acondicionamento 
As plataformas de acondicionamento são um dos locais do armazém mais propícios a acidentes. Assim, antes de dar início a qualquer tarefa de carga ou descarga, deve verificar-se a capacidade da plataforma, além de: 
  • Ter especial cuidado com as condições atmosféricas, mantendo a área seca e sem gelo, evitando quedas. 
  • Não saltar da plataforma para o chão. 
  • Verificar se os meios de transporte têm as rodas bloqueadas uma vez em cima da plataforma 

Regras de Segurança nos armazenamentos e embalamento/desembalamento 
Já se falou acima da importância de manter tudo arrumado num armazém. Há, com efeito, cuidados que se devem ter durante os armazenamentos e embalamentos/desembalamentos que não estão relacionados apenas com a prevenção de quedas: 
  • Verificar se as prateleiras e zonas de trabalho estão em bom estado. 
  • Empilhar o material numa base plana, começando por colocar os objetos mais pesados e maiores no chão ou próximo dele. (ponto 1 do artigo 35.º do Decreto Lei n.º 243/86) 
  • Não empilhar os objetos de uma forma que bloqueie sprinklers ou tenha contacto direto com lâmpadas e tubos. (ponto 2 do artigo 35.º do Decreto Lei n.º 243/86)

No que diz respeito aos embalamentos e desembalamentos, há alguns cuidados que se devem ter: 
 
  • Precaução ao manusear os objetos cortantes utilizados na tarefa evitando cortes e não deixar os mesmos no chão. 
  • Ter cuidado também no manuseamento das cintas que prendem os materiais para evitar que elas ressaltem contra qualquer parte do corpo, sobretudo a cara (utilizar luvas e proteção ocular). Conforme estabelecido no artigo 47.º do Decreto Lei n.º 243/86, deve existir à disposição dos trabalhadores vestuário de trabalho e ou dispositivo de proteção individual contra os riscos resultantes das tarefas e operações efetuadas sempre que sejam insuficientes as medidas técnicas de higiene e segurança de carácter geral.
 
Atitude Preventiva 
Em qualquer tarefa e espaço de trabalho – e o armazém não é exceção – o mais importante é que o trabalhador tenha uma atitude preventiva. Independentemente de quão seguro é o equipamento de proteção ou de quão restritas são as regras, um trabalhador nunca estará seguro se a sua atitude não for preventiva. Por esse motivo, as regras são para ser levadas a sério, nomeadamente: 
  • Ter atenção à sinalização de aviso e obedecer à mesma. 
  • Ver bem por onde se anda e para onde se vai. 
  • Andar em vez de correr. 
  • Entregar em mão as ferramentas em vez de atirá-las.

Trabalhos Físicos

A execução de trabalhos com movimentos repetitivos ou que exigem um elevado esforço físico são fatores de risco que podem levar à ocorrência de lesões incapacitantes e de grande desconforto para o trabalhador. De acordo com dados da União Europeia, muitos trabalhadores desenvolvem lesões das cervicais e dos membros superiores relacionadas com o trabalho, que constituem a doença profissional mais comum na Europa, representando mais de 45% do total das doenças profissionais. Estar consciente dos riscos existentes e das lesões que pode estar sujeito é vital para que possa proteger-se e prevenir potenciais doenças.
 
Quais são os sintomas das lesões musculoesqueléticas relacionadas ou ligadas ao trabalho?
  • Dor, a maior parte das vezes localizada, mas que pode irradiar para áreas corporais;
  • Sensação de dormência ou de “formigueiros” na área afetada ou em área próxima;
  • Sensação de peso;
  • Fadiga ou desconforto localizado;
  • Sensação de perda ou mesmo perda de força. 
 
Atividades que agravam o risco de aparecimento de lesões das cervicais e dos membros superiores relacionadas com o trabalho:
 
No pescoço e nos ombros:
  • Trabalho em posições em que o peso de partes do corpo têm de ser suportadas ou em que têm de ser sustentados objetos, como, por exemplo, trabalhar com os braços levantados;
  • Trabalho prolongado em posturas estáticas, que implicam a contração continuada do mesmo grupo de músculos, por exemplo, o trabalho com microscópio;
  • Levantar os braços ou virar a cabeça para o lado repetidamente. 
 
 
No cotovelo, pulso e mãos:
  • Utilização de grande força muscular para movimentar objetos, por exemplo, agarrá-los com uma tenaz ou com uma pinça grande;
  • Trabalho com os pulsos numa posição irregular, por exemplo, virados para dentro ou para fora;
  • Repetição dos mesmos movimentos dos pulsos. 


Alguns exemplos de lesões:
1. Tendinite da coifa dos rotadores
É uma das mais frequentes patologias do ombro e resulta da realização de atividades que exigem a elevação mantida ou repetida dos braços ao nível dos ombros ou acima deles ou ainda da realização de movimentos de circundação com os braços elevados.

2. Síndrome do túnel cárpico
A síndrome do túnel cárpico é uma neuropatia, isto é, uma lesão de um nervo periférico, provocada pela compressão do nervo mediano num espaço limitado, o túnel cárpico, localizado no punho. As posições de extensão excessiva do punho ou de hiperflexão são algumas das causas da síndrome do túnel cárpico.

3. Tendinites do punho
As tendinites do punho são desencadeadas pela realização de movimentos repetitivos de flexão/extensão do punho e dedos, mesmo quando são realizados com o manuseamento de pequenas cargas, ou pela manutenção de uma carga em postura inadequada.

4. Epicondilite e epitrocleíte
A epicondilite lateral ou a mediana (epitrocleíte) são tendinopatias que surgem como resposta à sobrecarga do cotovelo por gestos repetitivos ou pela manipulação de cargas excessivas ou de cargas mal distribuídas.

5. Raquialgias
As raquialgias, geralmente chamadas de “dores nas costas ou das cruzes”, são das queixas mais frequentemente associadas ao trabalho. Os sintomas variam de acordo com a região da coluna vertebral afectada: cervical, dorsal ou lombar. As lombalgias (ou lumbago) e as cervicalgias são as queixas mais frequentes. As posturas prolongadas de pé, os movimentos frequentes de flexão e de extensão da coluna, o manuseamento e transporte de cargas, a permanência sentado em trabalho com computador são causas possíveis de raquialgias.
 

Medidas de Prevenção:
 
  • Conhecer e utilizar corretamente as máquinas, os aparelhos, as substâncias e equipamentos postos à sua disposição.
  • Deixar no sítio adequado os dispositivos de segurança próprios das máquinas e das instalações e utilizá-los corretamente.
  • Servir-se correctamente dos equipamentos de proteção individual, que devem ser arrumados no lugar que lhes corresponde.
  • Avaliar o peso das cargas antes do transporte manual. Adoptar posturas corretas.
  • Comunicar imediatamente à entidade patronal ou aos responsáveis, toda e qualquer situação de trabalho que represente um perigo grave ou imediato para a segurança e saúde, bem como qualquer defeito nos sistemas de proteção. 


Movimentação Manual de Cargas
Existem meios mecânicos para auxiliar a movimentação de cargas. Acima dos 20kg ou 30kg as cargas são consideradas muito pesadas e a movimentação manual pode originar:
 
  • Dores de costas
  • Roturas musculares
  • Entorses
  • Lesões na coluna 

Se vai levantar e transportar cargas deve ter em conta:
 
  • A condição física do trabalhador
  • O peso da carga
  • O centro de gravidade da carga
  • A forma da carga
  • A altura a que tem de ser levantada
  • A distância a percorrer
  • A possibilidade ou não de dividir a carga
  • A duração e frequência do transporte 


É fundamental seguir estes 10 princípios:
 
  • Atenção à posição do corpo
  • Mantenha as costas direitas. Dobre as ancas e os joelhos ao agarrar a carga
  • Apoie os pés firmemente
  • Separe os pés a uma distância aproximada a 50cm
  • Mantenha a carga tão próxima do corpo quanto possível
  • Mantenha os braços juntos ao corpo e o mais esticados possível
  • Não levante uma carga pesada acima da cintura num só movimento
  • Aproveite o peso do corpo de forma efetiva para empurrar ou deslocar os objetos
  • Quando as dimensões da carga o aconselhem, peça ajuda a um companheiro
  • Uma má postura pode ocasionar lesões na coluna