PT EN   

ATUALIDADE


Notícias

O cenário criminal na UE fase à COVID-19
2020-03-30
Num momento em que os governos estão focados em ultrapassar o grande surto que se propagou pelo mundo, é muito importante não descurar outras áreas, como a segurança, dado ser comum os criminosos aproveitarem momentos como estes para explorarem novas atividades de crime.

A Europol, com base nas informações fornecidas pelos Estados-membros da União Europeia (UE), publicou, na passada sexta-feira, um relatório com as principais áreas onde se têm detetado um maior número de crimes desde a COVID-19.

Segundo este serviço europeu de polícia, são quatro estas áreas: o cibercrime, impulsionado pelo teletrabalho, onde os profissionais utilizam a sua rede de casa, menos protegida, para aceder remotamente à rede da organização, facilitando assim a atuação criminosa; a fraude, essencialmente via contacto telefónico, utilizado para apresentar, por exemplo, produtos financeiros ou esquemas que envolvem ofertas para desinfetar e eliminar o vírus; a contrafação de produtos defeituosos, através da venda de produtos falsificados de assistência médica e sanitária, produtos farmacêuticos, ou até equipamentos de proteção individual; e, por último, o crime contra a propriedade, com assaltos às instalações comerciais, que agora de encontram desocupadas, e às habitações, onde muitas das vezes os assaltantes se fazem passar por profissionais de saúde para aceder facilmente à propriedade.  

No comunicado libertado pela Europol, a diretora executiva, Catherine De Bolle, salienta, “embora muitas pessoas estejam comprometidas em combater esta crise e ajudar vítimas, também há criminosos que foram rápidos a aproveitar as oportunidades para explorar a crise. Isso é inaceitável: essas atividades criminosas durante uma crise de saúde pública são particularmente ameaçadoras e podem trazer riscos reais para a vida humana. Por isso, é mais do que nunca relevante reforçar a luta contra o crime. A Europol e os seus parceiros responsáveis pela aplicação da lei estão a trabalhar em estreita colaboração para garantir a saúde e a segurança de todos os cidadãos”.
« voltar