PT EN   
 
Oferta Formativa

B-learning | Curso de Projetista de SCIE da 2.ª à 4.ª categorias de risco

O novo Curso de Projetistas de SCIE da 2.ª, 3.ª e 4.ª Categorias de Risco vemdar cumprimento aos requisitos legais do artigo 15.ºA do RJSCIE do Decreto-Lei n.º220/2008, de 12 de novembro.

O curso permite aos formandos solicitar o reconhecimento pelas Ordens, efetuar o registo na ANEPC e consequentemente subscrever de projetos de SCIE e de medidas de autoproteção, referentes a edifícios e recintos classificados nas 2.ª, 3.ª e 4.ª categorias de risco.  Este curso é também uma excelente oportunidade para técnicos de equipas de projeto de arquitetura e/ou engenharia, fiscalização, promotores, direção de obra e auditoria aprofundarem conhecimentos da SCIE.

Os elevados padrões de qualidade da formação profissional na APSEI são garantidos com um número limitado de formandos por edição e através de um corpo técnico  onde se incluem 18 formadores:
  • Projetistas de SCIE de reconhecida competência;
  • Académicos e investigadores na área de SCIE;
Ficha de Inscrição

Destinatários

O curso é vocacionado para técnicos que pretendam ser reconhecidos como projetistas de SCIE de 2.ª, 3.ª e 4.ª categoria de risco:
  • Arquitetos, inscritos na Ordem dos Arquitetos;
  • Engenheiros, inscritos na Ordem do Engenheiros;
  • Engenheiros Técnicos, inscritos na Ordem do Engenheiros Técnicos.

O curso permite o reconhecimento pelas Ordens e subsequente registo na ANEPC, ao demonstrar, por esta via, que estão reunidas as condições necessárias para a elaboração dos projetos e medidas de autoproteção de SCIE referentes a edifícios e recintos classificados na 2.ª, 3.ª e 4.ª categorias de risco.

O curso pode ser realizado por quem pretende especializar-se na área de SCIE, ou pretende complementar a formação adquirida no ensino superior.

O curso atribui competências reconhecidas pelas Ordens e exigidas por lei.

O curso é também vocacionado para quem pretende adquirir conhecimentos e ter uma visão global e integrada da SCIE, como é o caso de elementos de equipas de projeto de arquitetura e/ou engenharia, de fiscalização, promotores, direção de obra, auditores, entre outros.

N.º Formandos/Curso
O número máximo de inscrições por curso será limitado a 16 formandos.

Objetivos

O programa do curso foi concebido de forma a garantir que, no final da formação, os formandos tenham adquirido competências na área da SCIE, ficando com uma visão global e integrada da SCIE, da sua interação e implicação nas demais especialidades na fase de projeto, na construção e na exploração, permitindo, aos técnicos inscritos na OA, OE e OET aceder ao reconhecimento pela ANEPC da competência para elaborar projetos de segurança contra incêndio em edifícios e medidas de autoproteção da 2ª, 3ª e 4ª categorias de risco.
 

Carga Horária

Duração de 120 horas (105h formação à distância e 15h para avaliação presencial)

Conteúdos

  • Regime jurídico de SCIE
  • Análise da ignição e desenvolvimento de incêndio em edifícios
  • Representação gráfica do desenvolvimento do incêndio e expressões matemáticas das curvas de incêndio nominais
  • Origem e propagação de incêndio
  • Formação de atmosferas explosivas
  • Caracterização do risco de incêndio das utilizações tipo
  • RT SCIE-Condições exteriores comuns
  • RT SCIE-Condições gerais de comportamento ao fogo, isolamento e proteção
  • RT SCIE-Condições gerais de evacuação
  • RT SCIE-Condições gerais das instalações técnicas
  • RT SCIE-Condições gerais dos equipamentos e sistemas de segurança
  • RT SCIE-Controlo de fumo
  • RT SCIE-Meios de intervenção
  • RT SCIE-Sistemas fixos de extinção automática de incêndios
  • RT SCIE-Condições gerais de autoproteção
  • RT SCIE-Condições de segurança contra incêndio em recintos itinerantes ou provisórios
  • Métodos de análise de risco
  • Instrução de pedidos de parecer de projeto e medidas de autoproteção
  • Avaliação

Avaliação

A avaliação do curso assumirá a forma de Aprovado ou Não Aprovado, acompanhada da respetiva avaliação quantitativa.
 
O aproveitamento na ação de formação pressupõe a frequência de 90% da carga horária e aproveitamento na avaliação final.
 
A avaliação consistirá no desenvolvimento das seguintes 3 etapas:
  • Teste individual: escrito, com consulta, duração máxima de 3 horas, sobre toda a matéria ministrada, devendo os formados ter pelo menos 80% de aproveitamento nas questões;
  • Projeto de segurança contra incêndio: elaboração de projeto de SCIE relativo a parte de um edifício, de ocupação mista, realizado individualmente ou em grupos de dois formandos, com discussão individual;
  • Medidas de autoproteção: relativas ao edifício referido no ponto anterior, devendo ser realizadas individualmente ou em grupos de dois formandos, com discussão individual. 

Nota:
A avaliação referida no ponto anterior deve atender ainda a: 
  • Cada trabalho corresponde a um edifício, diferente dos restantes;
  • O formando terá de obter aproveitamento na avaliação do projeto e medidas de autoproteção;
  • A discussão do projeto de SCIE e das medidas de autoproteção deverá ser feita no mínimo com 2 formadores; 
 
A avaliação final resultará da seguinte ponderação: 30% (teste individual escrito) e 70% (projeto de segurança contra incêndio e medidas de autoproteção, sendo 50% afeta ao projeto e 20% às medidas de autoproteção).

Certificados

A APSEI emitirá um certificado de formação a todos os formandos que obtenham aprovação na formação, de acordo com os critérios de avaliação referidos no ponto anterior.
 
A emissão do certificado é da responsabilidade da APSEI que é Entidade Formadora certificada pela Direção-Geral do Emprego e Relações do Trabalho (DGERT) e pela ANEPC.

A APSEI obteve, em 30/09/2021, o reconhecimento da ANEPC enquanto entidade formadora, podendo ser consultada essa referência no website da autoridade.
 

Formadores

António Leça Coelho
Resumo curricular brevemente disponível
Bruno Vaz Lopes
Mestrado em Arquitetura pela Escola Universitária das Artes de Coimbra. Possui formação complementar diversa na área da Segurança contra incêndios. É formador, consultor, projetista de Segurança Contra Incêndios certificado para projetos de 3.ª e 4.ª categoria de risco – ANPC n.º 182 e na modelação de incêndio em CFD e modelos de zona. Autor de trabalhos técnicos e publicações científicas no âmbito da SCIE. Vogal efetivo na Comissão Técnica 46, SC6 - Projeto SCIE baseado no desempenho e emissão de pareceres normativos relativos à TC92/SC4 da ISO (International Standards Organization).
Carlos Dias Ferreira
Mestre em SHT pelo Instituto Politécnico de Setúbal, Pós-graduado em SHT pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Licenciado em Ciências Militares - Engenharia Naval ramo Mecânica, pela Escola Naval, Licenciado em Engenharia de Segurança do Trabalho e Técnico Superior de SHT nível VI.    Possui diversos cursos na área da segurança contra incêndio, ATEX, análise de risco, auditorias de sistemas de gestão de SST e ambiental, emergência ambiental, conceção e gestão de projetos e na área comportamental. Responsável de segurança durante 12 anos a bordo de navios da Marinha de Guerra, tendo depois sido formador e Diretor da Escola de Limitação de Avarias (Marinha Portuguesa). Docente convidade de diversasa universidades nas temáticas da Segurança. Vogal da CT183, da CT46/SC2e da CT467SC4. Consultor na área da segurança contra incêndio, ATEX, investigação de acidentes e manutenção. Autor de diversos artigos técnicos e Coordenador Editorial da Revista Segurança Comportamental.
Carlos Ferreira de Castro
Engenheiro Eletrotécnico pelo Instituto Superior Técnico (IST) na especialidade de Telecomunicações e Eletrónica. Especialista de Segurança pela Ordem dos Engenheiros. Foi docente em diversas instituições de ensino de renome. Foi Responsável pela elaboração, na qualidade de perito externo do Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil (atual  ANPC) do projeto de Regulamento Geral de Segurança contra Incêndio em Edifícios. É projetista e consultor de segurança contra incêndio em edifícios e estabelecimentos de vários tipos e Diretor Geral da “Action Modulers – Consultores de Segurança”.
Carlos Nobre
Mestre em Engenharia de Redes de Computadores e Multimédia e Licenciado em Engenharia, Telecomunicações e Computadores pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa e MBA em Gestão de Negócios pela Universidade Autónoma de Lisboa. Ligado à Área de Sistemas de  Segurança Eletrônica desde 1989, é atualmente CTO de uma empresa internacional que atua ao nível da Banca e da Indústria, membro fundador da delegação portuguesa da SFPE (Society of Fire Protection Engineer), coordenador da CT79 da ONS APSEI para as normas de sistemas de Security, vogal da CT46 para sistemas de deteção de incêndio e membro de diversas comissões técnicas da APSEI.
Carlos Pina dos Santos
Resumo curricular brevemente disponível
Cláudia Dias
Resumo curricular brevemente disponível
Elisabete Cordeiro
Resumo curricular brevemente disponível
Irene Mealha
Resumo curricular brevemente disponível
João Paulo Rodrigues
Resumo curricular brevemente disponível
João Viegas
Resumo curricular brevemente disponível
Marco Miguel
Licenciado em Engenharia Eletrotécnica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, na especialidade de Sistemas de Energia e Pós-graduado em Energia e Gestão do Ambiente pela Universidade de Aveiro. Desempenhou funções na Efacec de responsável de frente de obra e de gestor de projetos. Foi técnico superior de Segurança Contra Incêndio em Edifícios na ANPC – Autoridade Nacional de Proteção Civil, no exercício de ações de fiscalização e apreciação das condições de segurança contra incêndio em edifícios no CDOS do Porto, no CDOS de Lisboa e nos serviços centrais.Atualmente é projetista e consultor de segurança contra incêndio em edifícios, sendo simultaneamente formador especialista em diversos cursos e docente do ensino superior desde 2009. É coautor do livro “Regulamento de Segurança em Tabelas”.
Nuno Lopes
Engenheiro Civil pela Universidade de Aveiro (UA), Nuno Lopes é Professor Associado e membro do Conselho e Conselho Científico-pedagógico do Departamento de Engenharia Civil da UA, onde completou o Doutoramento Europeu. No âmbito da sua atividade científica tem participado em projetos de investigação Europeus e Nacionais, sendo autor e coautor de artigos científicos em revistas e congressos, Internacionais e Nacionais, com foco na área do comportamento ao fogo de estruturas metálicas. É Diretor Técnico do Laboratório de Estruturas e Resistência ao Fogo (LERF) da UA, onde tem colaborado na realização de pareceres técnicos relativos ao desenvolvimento de produtos e elementos da construção e ao projeto de dimensionamento de estruturas de edifícios. No âmbito da normalização, é ainda coordenador da Subcomissão 1 da Comissão Técnica 46, dedicada à “Segurança em Edifícios”.”
Paula Carvalho
Licenciada em Engenharia Naval pelo IST (1994), tem uma Pós-Graduação em Gestão do Transporte Marítimo e Gestão Portuária pelo ISEG (2001) e um MBA pela UCP (2006) e é DIRECTORA da P2i, Lda. É também Presidente do NAPA da APSEI e Vogal do Comité Técnico CT 46. Tem uma experiência profissional de mais de 10 anos no âmbito da segurança contra incêndios e no âmbito da prevenção e proteção contra explosões onde desenvolveu atividades na consultoria, venda e instalação de equipamentos de proteção e extinção de incêndios por agentes gasosos e água nebulizada e de equipamentos de proteção contra explosões.
Paulo Prata Ramos
Paulo Ramos tem licenciatura e mestrado pré-Bolonha em Arquitetura e uma pós graduação em Proteção Contra Incêndios em Edifícios. Complementou a sua formação participando em vários comgressos internacionais de SCIE, sobretudo na área do projeto baseado no desempenho. Fez ainda diversos cursos técnicos, nomeadamente de controlo de fumo e de evacuação. É projetista de SCIE há mais de dez anos, com certificação para edifícios de 3ª e 4ª categorias de risco, tendo sido técnico responsável de cerca de uma centena de projetos e medidas de autoproteção, em Portugal, Angola, Argélia e França. Tem dado formação em diversos cursos de SCIE, nomeadamente na Ordem dos Arquitetos, na Universidade do Algarve e na Escola Nacional de Bombeiros. Escreve regularmente artigos técnicos para revistas da especialidade, nomeadamente Revista Segurança e Revista Proteger, parte dos quais escritos no âmbito do doutoramento em SCIE. Integra a Comissão Técnica de SCIE da Ordem dos Arquitetos desde a sua formação em 2009, sendo o representante da Ordem na Comissão de Acompanhamento da Implementação do RJ-SCIE. É sócio da ETU, gabinete especializado no projeto e consultoria de SCIE. Atualmente desempenha ainda a função de diretor técnico da Culturgest.
Pedro Maia
Resumo curricular brevemente disponível
Sílvio Saldanha
É licenciado em Gestão de Marketing pelo Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM). Foi Diretor Comercial na TRIA, Lda. e Diretor Executivo, Consultor e Coordenador de Projeto na empresa Consulfogo, Consultoria e Formação em Proteção Incêndio Lda. É formador acreditado. Organizou e participou em diversos seminários e conferências na área do Novo Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndios em edifícios. É ainda autor de vários artigos técnicos sobre Proteção Passiva Contra Incêndios em Edifícios, com destaque na Proteção passiva contra incêndios em edifício: selagens resistentes ao fogo; e Reflexões sobre Proteção Passiva Contra Incêndio em Estruturas Metálicas. 
Vilarim Luis Neves Reis
Resumo curricular brevemente disponível
Vitor Primo
É licenciado em Engenharia pela Academia Militar e mestrado em Segurança contra Incêndios Urbanos pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Desempenhou funções de Adjunto Técnico e de Comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto. De 2008 a 2011 desempenhou funções como Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios no Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto da Autoridade Nacional de Proteção Civil. É professor e formador em diversos cursos da área da Segurança Contra Incêndio em Edifícios.

Local

Online: 105 h  - 2.ª feira, 4.ª feira e 6.ª feira de manhã, 3 horas por sessão (a confirmar)
Presencial: 15 h

À exceção da avaliação, que deve ser presencial, é necessário ter acesso a um computador com ligação à Internet e utilizar um browser compatível (Google Chrome ou Firefox), e com sistema de voz (microfone) e imagem (camara).
 

Próximas edições

Data: A APSEI obteve, em 30/09/2021, o reconhecimento da ANEPC enquanto entidade formadora. A data da 1.ª edição do curso será brevemente comunicada.

 
Está prevista a realização de novas edições do curso em 2021, com arranque desfasado da 1.ª edição 

Preços

Associado Efetivo da APSEI: 940 € (Acresce IVA a 23%)
Associado Aderente Singular A / Aderente Coletivo da APSEI: 1.125 € (Acresce IVA a 23%)
Não Associados da APSEI: 1.250 € (Acresce IVA a 23%)

(Valor da pré-inscrição: 40€)

IBAN: PT50 0033 0000 01091480049 16 (Millennium BCP)
 
Toda a documentação dos cursos da APSEI é fornecida aos formandos em formato digital. A impressão em papel e a cores das apresentações do curso tem um custo adicional de 290€. Caso pretenda adquirir esta impressão, deverá contactar previamente a APSEI e solicitar este serviço.

Contactos

Para informações adicionais contactar:
formacao@apsei.org.pt | Tel: 219 527 849 | Fax: 219 527 851

Mais Informações

  • Área de Formação: 861 - Proteção de Pessoas e Bens
  • Forma de Organização da Formação: Online, com avaliação em modo presencial
  • Modalidade: Formação Modular Contínua
  • Métodos de Aprendizagem: Expositivo, Interrogativo e Ativo
  • Recursos Pedagógicos:
    • Documentação de Apoio: Manual do curso (powerpoints )
    • Meios Audiovisuais Utilizados: PC, Data Show, Flipchart
    • Espaço: Sala de formação para avaliação presencial
    • Outros Recursos utilizados: Exercício de coleta de dados
« voltar